Do Mais Goiás

DIGO 2021: festival goiano de cinema começa nesta quinta-feira (03)

Com o tema "o papel da mulher LGBTI+ no cinema", o festival acontece entre os dias 3 e 9 de junho

Festival DIGO 2021
Café com Rebu, direção de Danny Barbosa (Foto: Divulgação)

O Festival Internacional de Cinema da Diversidade Sexual e de Gênero de Goiás (DIGO), tem início nesta quinta-feira (3). O tema abordado na edição de 2021 tange o papel da mulher LGBTI+ no cinema, apresentando longas e curtas-metragens, além de workshops, rodas de conversa, webinares, espetáculos teatrais, exposições de arte e muito mais.

Realizado em formato virtual por conta da pandemia, o público poderá acompanhar, entre os dias 3 e 9 de junho, os 41 filmes selecionados pela curadoria do evento. As produções ficarão disponíveis, por categoria, no site do DIGO e podem ser vistas de forma completamente gratuita.

Entre as categorias disponíveis, estão: Nacional, Mulheres LGBTI+ no cinema, A pandemia é Política, Internacional e Longas Metragens. Além de uma mostra não competitiva com sete filmes premiados pela distribuidora The Open Reel. Além da exibição no site, também é possível contar com uma mostra especial e gratuita no Cinebrac – serviço de streaming de curtas, séries e filmes brasileiros – com filmes que serão apresentados durante o festival.

O público poderá ainda votar em seus filmes favoritos até o dia 8 de junho. As produções escolhidas como melhores filmes, tanto pelos telespectadores quanto pelo júri, receberão o troféu DIGO e prêmios de parceiros. Os vencedores serão premiados no último dia de evento, a partir das 19h.

Festival DIGO 2021

Hugo: 18h30, James Maciver, France (Foto: Divulgação)

Segundo Cristiano Sousa, diretor do festival de cinema: “Realizar mais uma edição do DIGO está sendo um desafio, em meio ao caos que estamos vivendo tanto político, social e humanitário. Compreendemos a necessidade de levar arte e alento para as pessoas“, comenta.

Segundo ele, a principal novidade da edição de 2021 fica por conta dos webinares. O público poderá participar de 8 “aulões” com professores e ativistas conhecidos em todo o país, que falarão sobre a politização LGBTI+. “O objetivo é contribuir para o poder de fala e de rebate a ignorância e ao fascismo. Com foco em assuntos pertinentes a todo brasileiro, que deseja aprender e compreender as diversas necessidades da sociedade. Humanização, empatia e amor ao próximo são alguns dos temas tratados“, explica o diretor do DIGO.

DIGO 2021 também apresenta workshop

O workshop “Documentando com Marlom Meirelles” acontece no dia 4 (sexta-feira), a partir das 19h, pela plataforma Zoom. O objetivo da atividade é promover uma discussão sobre narrativas documentais e falar sobre a representatividade LGBTI+. Serão disponibilizadas 30 vagas, com prioridade para pessoas trans.

Marlom Meirelles é coordenador e também professor dos projetos Documentando e Mídias Móveis, oficinas temáticas de iniciação audiovisual. Fotógrafo com experiência internacional e dois prêmios Pernambuco Nação Cultural. Orientou e co-dirigiu mais de 70 documentários, muitos deles premiados e exibidos em festivais de cinema.

Encontros

O público do DIGO 2021 também poderá assistir a dois importantes encontros entre realizadores e produtores. O primeiro deles é o II Encontro de Festivais de Cinema e Mostras LGBTI+ do Brasil, que acontece no sábado (5), a partir das 15h.

Já o segundo é o  I Encontro de Festivais LGBTI+ da América Latina e Caribe, que acontece no domingo (6), a partir das 17h. Os eventos poderão ser acompanhados por live no Facebook do Festival.

Teatro

No sábado e domingo (5 e 6) também será possível acompanhar os espetáculos teatrais do festival de cinema. A partir das 19h do sábado, o público poderá acompanhar “VerbOverdose” com Rodrigo Rosado. O espetáculo tem duração de 25 minutos, fazendo uma leitura dramática pensada para o formato virtual.

É um experimento baseado no conto “O Homem da cabeça de papelão” de João do Rio, escrito em 1910 e relatos pessoais do processo de aceitação de ser gay em uma sociedade machista.

No domingo, é a vez do monólogo “Porco Espinho“, interpretado por Fabiana Mirassos. A atriz, em pesquisa sobre a solidão da travesti, debruçou-se sobre a metáfora do filósofo Arthur Schopenhauer para explorar os dilemas afetivos da convivência humana.

Escrita pelo dramaturgo Marcelo Oriani, a peça metragem tem a duração de 32 minutos e será exibida no domingo (06/06) às 21h. As duas peças serão transmitidas pelo facebook do festival.

Exposição artística também marca presença no DIGO 2021

Única atividade do festival que acontece também em formato presencial, a exposição “Performatividades Drag: as cores e a força da arte“, de Chris, The Red e Solange Amarilla, pode ser visitada na Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Políticas Afirmativas de Goiânia (Setor Sul).

A entrada é gratuita e o público poderá visitar em horário comercial – de segunda a sexta, das 8h às 18h. Quem preferir, também pode apreciar a exposição em formato digital pelo site Performatividades Drag.

Serviço

Festival Internacional de Cinema da Diversidade Sexual e de Gênero de Goiás (DIGO)

Quando: site e facebook do festival

Onde:

Acesso: gratuito

Leia também: