Em Goiânia

Dia do Cerrado será comemorado com passeio ciclístico e inauguração de trechos cicloviários

Em momentos diferentes do percurso de 12,15 quilômetros, o prefeito Paulo Garcia vai inaugurar, neste domingo, a cicloponte e ciclovia implantadas na T-63 e a ciclofaixa e a revitalização do parque




Para celebrar o Dia do Cerrado e inaugurar três novos trechos cicloviários na cidade, a Prefeitura de Goiânia e a Federação Goiana de Ciclismo promovem um passeio ciclístico no próximo domingo (11). Os ciclistas sairão às 9h da Praça Félix de Bulhões, na divisa do Parque Anhanguera com o Jardim Europa, seguirão pela T-63 e terminarão no Jardim Botânico. Em momentos diferentes do percurso de 12,15 quilômetros, o prefeito Paulo Garcia vai inaugurar a cicloponte e ciclovia implantadas na T-63 e a ciclofaixa e a revitalização do parque.

Com o tema “Cerrado e Vida”, além de incentivar o uso de bicicletas nas vias de Goiânia, o passeio visa a conscientizar a  população sobre os cuidados com um dos principais biomas do país, o Cerrado, que ocupa aproximadamente 22% de todo o território nacional. Durante o passeio, serão plantadas 60 mudas de árvores nativas do Cerrado no Jardim Botânico, reforçando as comemorações da data. As plantas ficarão nas proximidades da maior academia ao ar livre da cidade, que conta com 14 equipamentos para a prática de atividades físicas.

Apenas os inscritos previamente terão direito a kit com camiseta, bolsa e squeeze, mas todos que quiserem participar serão bem-vindos. “O passeio é aberto a todos os goianienses com mais de 12 anos de idade. Queremos que as famílias conheçam de perto mais esses espaços públicos para lazer e para a prática de atividades físicas”, destaca Dário Paiva, presidente da Agência Municipal de Turismo Eventos e Lazer (Agetul), pasta responsável pelo passeio ciclístico. Concentração na Praça Félix de Bulhões começa às 8h.

Segundo a Rede Metropolitana de Transporte Coletivo (RMTC), o evento pode causar atrasos em algumas linhas de ônibus. São elas: 002, 009, 014, 015, 025, 035, 175, 183, 185, 203, 565, 650 e 651.

Mais bikes nas ruas

Atualmente, a Capital já tem 72,74 quilômetros de trechos cicloviários entregues. Até o final de seu mandato, em dezembro, PauloGarcia pretende deixar 102,48 quilômetros de espaços dedicados aos ciclistas. “Nossos projetos de mobilidade prezam pelo compartilhamento das vias com as pessoas, bicicletas, transporte coletivo e automóveis, tendo como foco a qualidade de vida do goianiense do futuro”, destaca o prefeito.

Com extensão de 5,7 quilômetros, a ciclovia da T-63 é uma das próximas a ser inaugurada. Vai da Praça Félix de Bulhões até a Avenida Circular e integra o corredor preferencial de ônibus da via. O trecho recebeu novo calçamento, pintura, ajardinamento, sinalização, iluminação e uma cicloponte no Córrego Cascavel, entre o Jardim América e o Parque Anhanguera. Há ciclovias nos dois sentidos da via. Uma estrutura metálica com chapas expansivas de aço e sustentadas por 16 treliças foi implantada nos 50 metros da ponte da avenida. A cicloponte foi feita com estrutura que garantiu mais segurança ao tráfego dos ciclistas, bem como o alinhamento da via. O município ainda trabalha para concluir o trecho na Alameda Couto Magalhães, que vai ligar a ciclovia da T-63 ao Parque Areião, e iniciou o trecho cicloviário da Segunda Radial. 

O projeto das ciclofaixas leva em consideração a integração entre os principais parques de Goiânia: Vaca Brava, Areião, Lago das Rosas, agora o Jardim Botânico e o Parque Flamboyant, que será o próximo a receber uma ciclofaixa. A ciclofaixa permanente do Jardim Botânico, que será inaugurada durante o passeio ciclístico, amplia a zona de integração dos trechos cicloviários aos terminais de ônibus – Bíblia, Isidória e Bandeiras – pelas ciclovias dos corredores Universitários e T-7 e as ciclorrotas ligando a T-7 à T-63 e, finalmente, a ligação entre a T-63 ao Jardim Botânico. A novidade garante um espaço seguro para a circulação dos ciclistas todos os dias semana, em tempo integral. Com a implantação da ciclofaixa, o trânsito na região está sendo readequado e, a partir do dia 11, o entorno do parque terá circulação em mão única, acompanhando o sentido da ciclofaixa. 

O diretor técnico da Companhia Metropolitana de Transportes Coletivos (CMTC), Sávio Afonso, explica que a administração municipal está formando um arcabouço cicloviário, cujo adensamento está em fase de expansão e os ciclistas já podem circular de forma mais segura e integrada na região Leste Universitária, passando pelo Centro até a região Sudoeste (Parque Anhanguera). Ele conta que os projetos dos trechos cicloviários foram construídos pelos técnicos da prefeitura em conjunto com cicloativistas, urbanistas e arquitetos da cidade. “As ligações viárias prezam os polos geradores de demandas de circulação, como comércio, unidades educacionais, pontos culturais e os terminais de ônibus”.

Tópicos