Do Mais Goiás

Dia de Luta contra Hepatites terá teste rápido gratuito para a população

Das 8 às 17 horas, o público terá acesso a testes rápidos e gratuitos de hepatites B e C

A Superintendência de Vigilância em Saúde (Suvisa) está realizando uma série de ações com o objetivo de capacitar profissionais e conscientizar a população para a prevenção às hepatites. Nesta segunda-feira, dia 28, a ação será no Araguaia Shopping, em Goiânia. Das 8 às 17 horas, o público terá acesso a testes rápidos e gratuitos de hepatites B e C. Também será oferecida a vacina contra a hepatite B e informações sobre a doença. Além da capital, cerca de 30 municípios vão desenvolver ações pontuais para o controle das hepatites virais.

As atividades marcam o Dia Mundial de Luta contra Hepatites – 28 de julho – instituído pela Organização Mundial de Saúde, como forma de despertar a consciência e a necessidade de prevenção, aumentar a compreensão sobre a epidemia e promover análises da sociedade e órgãos públicos sobre as hepatites virais. A Secretaria Municipal de Saúde, Conselho Regional de Enfermagem de Goiás, Faculdade de Enfermagem da UFG e Laboratório Central de Saúde Pública Dr. Giovanny Cisneyros são parceiros da iniciativa.

Este ano, a campanha está focada na intensificação do diagnóstico da doença e na prevenção por meio da vacinação. As hepatites virais, em sua maioria, são doenças silenciosas, que em muitas fases passam despercebidas na vida das pessoas, até o momento em que os sinais e sintomas começam se manifestar de forma grave, atacando o fígado, um dos órgãos mais importantes e vitais do corpo humano.

Hepatites virais
A doença é considerada, atualmente, o maior problema global de saúde pública. Caracterizada pela inflamação das células do fígado, as hepatites virais são causadas principalmente por vírus, uso de medicamentos, álcool e outras drogas. São tão graves que podem levar à insuficiência hepática aguda, cirrose, câncer do fígado e à morte.

Conforme os dados da Secretaria de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, no Brasil, cerca de 800 mil pessoas já foram infectadas pelo vírus da hepatite B e 1,5 milhão pelo vírus C. A média de casos de hepatite B notificados no Brasil é de 6,9 por 100 mil habitantes. Já a hepatite C atinge em média, 6,6 pessoas em cada grupo de 100 mil habitantes. Em Goiás, no período de 2009 a 2013, foram notificados 32.609 casos suspeitos de hepatites. Deste total 9.104 foram confirmados, dos quais 966 são de hepatite A; 7.083 são de hepatite B e 890 de hepatite C.

Transmissão
As hepatites virais A e E são transmitidas pela via fecal-oral e estão relacionadas às condições de saneamento básico, higiene pessoal, qualidade da água e dos alimentos. As hepatites virais B e D são transmitidas, na maioria das vezes, por meio de relação sexual e do contato com fluídos de sangue contaminado, presentes em alicates, instrumentos cirúrgicos e odontológicos não-esterilizados, em lâminas de barbear e outros produtos que contenham o material contaminado.

Já a hepatite C está associada ao compartilhamento de seringas por usuários de drogas, à transfusão sanguínea até 1993, quando não havia testagem sorológica do sangue, e ao uso de material não-esterilizado em procedimentos realizados em salões de beleza e em consultórios médicos e odontológicos.

Vacinação
O Ministério da Saúde disponibiliza para a população as vacinas que protegem contra a hepatite A e hepatite B. A vacina contra a hepatite A foi introduzida no Calendário da Vacinação da criança a partir deste mês de julho. Ela estará disponível, ainda este ano, em todas as salas de vacina da rede pública para crianças de 12 meses a menos de 2 anos (1 ano, 11 meses e 29 dias).

Já a vacina contra a hepatite B é ofertada nas salas dos centros de saúde para a população em geral de 0 a 49 anos e para grupos priorizados com alto risco de exposição, mesmo fora da faixa etária. Entre estes grupos estão coletores de lixo, profissionais do sexo, manicures, público LGBT, profissionais de saúde e outros.

O Hospital de Doenças Tropicais (HDT) é referência regional no tratamento de doenças virais como as hepatites. De 2013 a 1º de julho deste ano, o hospital foi responsável pelo atendimento de 224 casos da doença nas variações A, B e C. A unidade está habilitada a tratar todos os tipos de hepatites, sendo a maioria delas nas formas B e C.