Estadao Conteúdo

Desmatamento na Amazônia aumenta 15% e chega a 4.565 km²

O município de Altamira, no Pará, onde foi erguida a hidrelétrica de Belo Monte, segue no topo dos locais mais desmatados da Amazônia, com 234 km² de floresta perdida entre agosto do ano passado e junho de 2019

O desmatamento na região amazônica atingiu, entre agosto de 2018 e junho deste ano, uma área total de 4.565 km². A área devastada é 15% superior ao volume verificado no mesmo período do ano anterior. Entre agosto de 2017 e junho de 2018, 3.975 km² de mata foram perdidas na Amazônia Legal.

As informações são do Sistema de Detecção do Desmatamento na Amazônia Legal em Tempo Real (Deter). Trata-se de uma ferramenta do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), órgão federal, usada para fiscalizar ações de desmatamento.

Entre ambientalistas, há apreensão quanto ao volume de devastação neste mês. Julho é marcado por um forte aumento de desmatamento na região.

(Foto: Valter Campanato/Agência Brasil)

Os dados do Deter ainda serão consolidados pelo balanço anual do governo, que fecha no fim deste mês, por meio de outro sistema, o Prodes, que filtra os dados e possíveis distorções causadas por nuvens, que podem prejudicar a apuração mais precisa das áreas atingidas.

Pontos críticos

O município de Altamira, no Pará, onde foi erguida a hidrelétrica de Belo Monte, segue no topo dos locais mais desmatados da Amazônia, com 234 km² de floresta perdida entre agosto do ano passado e junho de 2019.

A Floresta Nacional do Jamanxim, unidade de conservação que também fica no Pará, continua a ser o principal alvo do crime organizado que devasta a Amazônia em busca de madeira e grilagem de terras. Foram perdidos 85 km² de mata nativa no mesmo intervalo. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo