Do Mais Goiás

Desmatamento do Cerrado diminuiu, mas perda de vegetação soma quase 50%, diz especialista

Em 2020 o desmatamento foi de 7,3 mil km2

Paisagem do bioma - Desmatamento do Cerrado é responsável pela crise hídrica. Perda de vegetação soma quase 50%. Ocupação pelo agronegócio é ameaça
Desmatamento do Cerrado diminuiu mas perda de vegetação soma quase 50%, diz especialista - (Foto: reprodução)

A ocupação do Cerrado é recente e preocupa, segundo avaliação da professora e coordenadora do Laboratório de Processamento de Imagens e Geoprocessamento (Lapig), Elaine Silva. Segundo ela, de acordo com os dados do MapBiomas Brasil, aproximadamente 50% da vegetação já foi perdida.

Perda de vegetação soma quase 50%

“Hoje, aproximadamente 50% da vegetação já foi perdida. Isso não é bom, porque a metade que resta está bem fragmentada e não garante uma sustentabilidade da biodiversidade e não ajuda no abastecimento dos corpos hídricos”, explica.

O desmatamento e degradação do bioma também gera repercussões negativas em ambientes urbanos, segundo a estudiosa.

“Estamos vendo muita escassez de água na área urbana que é onde se sente mais pela concentração populacional, mas ela é decorrente do desmatamento que ocorre ao longo do Cerrado”, completa.

De 2000 a 2015, o Cerrado perdeu 236 mil km², enquanto a perda na Amazônia, bioma duas vezes maior, foi de 208 mil km2, segundo o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). Em 2020 o desmatamento foi de 7,3 mil km².

A área representa 13,21% a mais do que o registrado no período anterior.

De acordo com a professora, quando se fala em taxa de desmatamento,  fica aparente que “entre 2001 e 2020 se tinha altas taxas de desmatamento até 2004, depois 2005 e 2006 isso foi dando uma amenizada, ao passo que hoje esse valor é menor”.

A afirmação é baseada em dados de monitoramento do FIP Cerrado, que é um projeto do Inpe e o Ministério do Meio Ambiente.

Segundo ela, porem, quando se analisa onde esses novos desmatamentos se concentram “Vemos que estão indo para as áreas que ainda estão um pouco preservadas. O desmatamento reduz em número, mas não reduz uma problemática“, destaca a coordenadora do Lapig.

“Temos um cenário atual no qual temos uma redução de desmatamento, mas devido a fragmentação e para onde tem ido essa ocupação, a gente deve se preocupar com esses índices“, afirmou.

Oito das principais bacias hidrográficas tem nascentes no Cerrado

Oito das principais bacias hidrográficas no Brasil tem nascentes no Cerrado, sendo a bacia Amazônica (rios Xingu, Madeira e Trombetas); a do Rio Tocantins-Araguaia (rios Araguaia e Tocantins); a Atlântico Nordeste Oriental (Rio Itapecuru); e a Bacia do Parnaíba (rios Parnaíba, Poti e Longá).

Há também a do São Francisco (rios São Francisco, Pará, Paraopeba, das Velhas, Jequitaí, Paracatu, Urucuia, Carinhanha, Corrente e Grande); a do Atlântico Leste (rios Pardo e Jequitinhonha); e a Bacia do Paraná (rios Paranaíba, Grande, Sucuriú, Verde e Pardo).

A bacia do Paraguai (rios Cuiabá, São Lourenço, Taquari e Aquidauana) completa a lista.

A região centralizada no território brasileiro contribui com a maior parte da água que alimenta essas três bacias: 71% da produção hídrica da bacia do Araguaia/Tocantins, 94% do São Francisco e 71% do Paraná/Paraguai.

“O bioma Cerrado possui uma posição central em relação ao Brasil conectado com praticamente todos os biomas brasileiros, com exceção do bioma Pampa e essa centralidade garante uma estabilidade para os demais biomas, servindo de corredor que mantém a biodiversidade”, pontua Silva.

Ocupação do Cerrado pelo agronegócio, se desenfreada, resulta em crise hídrica

“A ocupação do Cerrado do jeito que ela tem acontecido, tem deixado muitos danos, porque ao reduzir a vegetação toda essa abundância de biodiversidade de fauna e flora é comprometida, principalmente a água”, avalia a professora.

De acordo com a estudiosa, a escassez hídrica enfrentada no Brasil atualmente é resultante do somatório dessas ações de ocupação desenfreada do Cerrado.

“Não que não deva haver produtividade da agropecuária, deve sim, mas de forma otimizada e deixando também grande parte do Cerrado preservado”, completa a estudiosa.

Goiás é o segundo estado com maior área irrigada do país

Goiás é o segundo com maior área irrigada do país, com 272.330 hectares (ha), o que representa 18,4%, segundo dados do levantamento da agricultura irrigada por pivôs centrais no Brasil da superfície nacional nesta condição. 78% da área irrigada brasileira está no Bioma Cerrado.

Em levantamento realizado em 2018 pela Sefaz, existiam mais de 3.300 pivôs centrais no estado, sendo que menos de 25% tinham licenciamento ambiental.

Campanha em defesa do Cerrado

O Fórum Goiano Ambiental juntamente com a prefeitura da Cidade de Goiás organiza uma caminhada pelas margens do Rio Vermelho. A ‘Caminhada: Cerrado agredido, caixa d’água vazia!’ irá acontecer neste sábado (11), dia do Cerrado, contra o desmatamento do bioma.

A Campanha Nacional é uma forma de sensibilização em defesa do Cerrado – O Berço das Águas.

Dentro da programação terá a Abertura da Exposição “Em Defesa dos Povos do Cerrado” e Roda de Conversa no Parque da Carioca e segue depois até dia 1º de outubro no pavilhão das Secretarias de Turismo e de Cultura de Goiás.

Ação recebe apoio da Associação do Caminho de Cora Coralina e da Goiás Turismo.