Eduardo Pinheiro
Do Mais Goiás

Deputado goiano quer investigação contra Bolsonaro sobre falta de oxigênio no AM

Parlamentar argumenta que presidente teria se omitido diante da crise. Pedido também quer inclusão de Pazuello nos inquéritos

Governo admite oferta de vacina da Pfizer, mas diz que contrato era abusivo
Governo admite oferta de vacina da Pfizer, mas diz que contrato era abusivo

O deputado federal por Goiás Elias Vaz (PSB) ingressou na segunda-feira (18) com uma representação direcionada ao procurador-geral da República, Augusto Aras, solicitando que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, sejam incluídos nos inquéritos que irão apurar as omissões na tragédia ocasionada pela falta de oxigênio em Manaus, Amazonas (AM), entre os dias 11 e 17 de janeiro de 2021.

O Mais Goiás entrou em contato com a PGR, mas não obteve resposta até o fechamento da matéria.

No último sábado (16), Aras determinou abertura de inquérito no Superior Tribunal de Justiça (STJ) para apurar a eventual omissão do governador do Amazonas, Wilson Lima (PSC), e da prefeitura de Manaus na crise que levou ao colapso do sistema de saúde do estado. Ele argumentou que o Supremo Tribunal Federal (STF) entendeu que cabe à União, aos estados e aos municípios atuarem em conjunto no combate à pandemia.

Elias Vaz afirma que é preciso também responsabilizar o presidente pela possível omissão ocorrida no Amazonas.  “Precisamos responsabilizar a maior autoridade do país, com seu negacionismo, sua omissão, falta de atitude e recomendações equivocadas”, afirma o deputado.

Ele ainda salienta que o ministro Pazuello foi alertado pelo governo do Amazonas e pela empresa fornecedora de oxigênio que o estoque não seria suficiente para os próximos dias devido à imensa quantidade de internações por covid-19 na região. “O governo nada fez e, quatro dias depois, o caos se instalou”, avalia.

Na segunda-feira, a juíza federal Jaiza Maria de Pinto Fraixe determinou que o governo federal apresente um plano para imediato o abastecimento de oxigênio na rede pública de saúde, com transporte de cilindros de outros estado e ativação de usinas para produção do insumo.