Do Mais Goiás

Deputado goiano pede à PGR inquérito para apurar sumiço de vacinas

Municípios goianos relatam que receberam lotes com até 20% menos que o especificado no frascos

Doses da CoronaVac (Foto: Governo de Goiás/Divulgação)
CoronaVac atinge proteção 15 dias após 2ª dose, diz estudo (Foto: Governo de Goiás/Divulgação)

O deputado federal Elias Vaz (PSB-GO) fez representação à Procuradoria Geral da República pedindo a abertura de ação civil para investigar a reclamação de municípios de que estariam recebendo doses de vacina contra a Covid-19 com até 20% menos que o especificado nos frascos.

O documento apresentado pelo parlamentar aponta que a previsão do Plano Nacional de Imunização (PNI) é de reserva técnica de 5%, considerando as possíveis perdas operacionais da vacina, índice bastante inferior ao registrado em alguns casos.

Goiânia identificou 4.016 em perdas no total de frascos. Aparecida de Goiânia e outras 100 cidades do Rio Grande do Sul relataram recebimento de lotes com redução das doses previstas são da vacina CoronaVac, produzida pelo Butantan.

“Cada dose pode fazer diferença. Estamos no pior momento da pandemia no nosso país, com média de 3 mil mortes por dia, e municípios com frequência precisam parar a aplicação da primeira dose em novos grupos por falta de vacina. É preciso esclarecer o que está acontecendo e responsabilizar quem estiver retirando a vacina do povo. Essa situação é inadmissível”, afirma Elias Vaz.

O Instituto Butantan anunciou que vai revisar a bula da vacina CoronaVac após prefeituras de cidades goianas e de outros 11 estados relatarem receber menos doses do que a quantidade indicada nos frascos.