Polêmica

Deputado apresenta projeto de lei para acabar com o horário de verão em Goiás

Autor da proposta, Luis Cesar Bueno, diz que horário especial no estado não gera nenhum tipo de economia




Tramita na Assembleia Legislativa do Estado de Goiás o Projeto de Lei nº 3489/16, de autoria do deputado Luis Cesar Bueno (PT), que dispõe sobre a extinção do horário de verão no Estado de Goiás.

O horário de verão foi instituído pela primeira vez entre os anos de 1931 e 1932, sendo adotado no País esporadicamente até 1967. Após 18 anos sem que a medida fosse novamente utilizada, o horário especial voltou a ser implantado em 1985 e, desde então, é instituído todos os anos. “A ideia é aproveitar ao máximo a luz natural durante os dias mais longos do verão, a fim de poupar energia”, explica Luis Cesar Bueno.

De acordo com o deputado, que já havia apresentado a matéria em outubro de 2007, a medida de fato reduz o gasto com energia durante os meses em que o horário especial vigora. “No entanto, deve-se analisar os custos para a população brasileira e se os sacrifícios impostos compensam os benefícios na economia gerada ao setor elétrico”, ressalta.

Luis Cesar enfatiza ainda o alto preço pago pela população pela adesão ao novo horário. A adaptação pelo organismo humano se torna árdua, além do risco que trabalhadores e estudantes enfrentam na escuridão das ruas nas primeiras horas da manhã.

Segundo a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), a economia média no consumo de energia, no horário de pico, durante a vigência do horário de verão, fica entre 4 a 5%. “Usamos a estratégia que os estados do Nordeste usaram para retirar alguns estados do horário de verão. Em Goiás, o horário de verão é totalmente descabido porque ele não gera nenhum tipo de economia. Então é necessário que o legislativo estadual tenha uma posição firme. É a posição firme que esperamos é que Goiás diga não ao horário de verão. Isso já impulsiona o debate em nível nacional. Isso deu certo no Piauí, Pernambuco, Ceará e outros estados”, explica Luis Cesar Bueno.

O projeto de Leif oi apresentado em Sessão Plenária na última terça-feira (6) e distribuído ao relator Francisco Oliveira (PSDB), da Comissão de Constituição, Justiça e Redação.