Caso João de Deus

Denúncias contra João de Deus revelam vítima de 9 anos

Das 255 pessoas que enviaram denúncias de algum tipo de violência ao Ministério Público, 23 tinham entre 9 e 12 anos. Elas apontam João de Deus como autor


Jairo Menezes
Do Mais Goiás | Em: 21/12/2018 às 19:32:48

João de Deus. (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)
João de Deus. (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Promotores que integram a força-tarefa para apurar os crimes praticados pelo médium João Teixeira de Faria, de 76 anos, o João de Deus, informaram em entrevista coletiva a quantidade de vítimas que comunicaram violências sofridas. Entre as denúncias recebidas pelo Ministério Público de Goiás (MP-GO), há relato de que uma criança de 9 anos teria sido abusada pelo médium.

Segundo apontou o membro da força-tarefa Luciano Meireles, coordenador do Centro de Apoio Operacional Criminal do MP-GO, foram feitos 596 contatos pelo e-mail criado pela instituição especificamente para essa investigação. Entre as 255 vítimas identificadas, 75 foram ouvidas em Goiás e em outros estados até o momento.

(Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Entre as vítimas identificadas, cujas mensagens foram encaminhadas exclusivamente para o canal de comunicação do MP goiano, estão as originadas de Brasília (39), de Goiás (21), do Rio Grande do Sul (20), Espírito Santos (11), Minas Gerais (15), Rio de Janeiro (7), Paraná (6), Santa Catarina (4), Mato Grosso (3), Mato Grosso do Sul (1), Maranhão (1), Pernambuco (1), Piauí (1) e Tocantins (1). As mensagens encaminhadas ao MP também vieram do exterior, como listaram os promotores, sendo elas dos Estados Unidos (4), da Austrália (3), da Alemanha (1), da Bélgica (1), da Bolívia (1) e da Itália (1).

Destas 255 pessoas identificadas, 23 tinham entre 9 e 14 anos, na ocasião dos fatos; 28 entre 15 a 18 anos, e 70, e 28 com idade de 19 a 67 anos. Conforme adiantaram os promotores, os próximos passos incluem, além da continuação das oitivas das vítimas, o depoimento do próprio investigado e a apresentação de denúncia criminal de, pelo menos, três casos, cujos crimes são o de estupro, violência sexual mediante fraude e estupro de vulnerável. (Com informações do MP-GO)