Clima

Defesa Civil alerta para riscos durante período chuvoso

Em Goiânia há 56 pontos de alagamento. Em todo o Estado há 22 mil pessoas morando em áreas de risco





//

A Defesa Civil do Corpo de Bombeiros, alerta para os riscos de acidentes durante as chuvas. Oito pessoas morreram em Goiás no último período chuvoso (de novembro de 2013 a março 2014), em acidentes por causa das chuvas.

Em um deles, três crianças morreram ao serem levadas pela enxurrada em Aparecida de Goiânia. Em Goiânia há 56 pontos de alagamento. Em todo o Estado há 22 mil pessoas morando em áreas de risco ( principalmente com alagamentos e deslizamentos), em 58 municípios.

Desde o mês de agosto o Corpo de Bombeiros trabalha em um planejamento para prevenção e mapeamento dessas áreas de risco.

De acordo com o chefe do Departamento de Minimização de Desastres da Defesa Civil, major Pedro Carlos Borges de Lira, foi feito o recadastramento das famílias em áreas de risco. Ao todo são 323 áreas que estão localizadas em 58 municípios. Para moradores desses locais, a orientação é que fiquem atentos ao nível da água.

“Geralmente a maioria dessas famílias está em locais de deslizamento ou de alagamento. Então, que fiquem atentos aos níveis das águas. Quando estiver chovendo bastante e a chuva possa oferecer algum tipo de risco, que os moradores desses pontos saiam de suas casas e procurem as casas de amigos e parentes em locais seguros, e aguardem a chuva passar”, explica.

Pontos de alagamento
Porém, não é apenas quem está nestas áreas que corre riscos de acidentes durante as chuvas. Em Goiânia, por exemplo, a Defesa Civil mapeou 56 pontos de alagamento.

Entre os mais graves estão:

Avenida Feira de Santana (Córrego do Serrinha – Parque Amazônia);
Rua Nonato Mota (Córrego Botafogo – Vila Redenção);
Avenida Anhanguera (na região do Lago das Rosas – Setor Aeroviário);
Avenida T-9 (próximo ao Clube Oásis – Setor Bueno);
Avenida Anhanguera com a Avenida Perimetral (Setor dos Funcionários);
Avenida César Lates (Córrego Macambira – Celina Park);
Avenida Assis Chateaubriand (em frente ao Fórum – Setor Oeste);
Avenida 1ª Radial (cruzamento com Córrego Botafogo – Setor Pedro Ludovico);
Avenida Goiás com Avenida Mangalô (Recanto do Bosque);
Avenida T-7 (cruzamento com o Córrego Cascavel – Jardim América).

Para condutores de veículos, a orientação é quando encontrar algum ponto de alagamento, parar o carro e ir para algum local seguro. Devem esperar a água baixar para atravessar a via. “Às vezes a pessoa olha e acha que dá para passar, mas há uma correnteza forte que pode levar motos, veículos, pessoas”, comenta o major. Ele afirma que no caso de carros, quando a água estiver na metade da roda é hora de parar e se o carro estiver sendo levado pela água, abandone o veículo imediatamente. “Depois que a água começar a levantar o carro, não tem mais jeito”.

O motociclista ao perceber que a água bate no motor, não tente ultrapassar. É hora de parar. Os pedestres não devem tentar atravessar em locais alagados, principalmente quando há correnteza.