Daniel Vilela e Maguito serão investigados por recebimento de caixa 2

Despacho de Fachin cita que os delatores relataram um repasse de R$ 1,5 milhão para a campanha dos peemdebistas


Thais Lobo
Do Mais Goiás | Em: 12/04/2017 às 10:48:59

Pregando renovação, MDB elege filhos de políticos tradicionais para comandar partido, como o goiano Daniel Viela, filho de Maguito (Foto: Reprodução)
Pregando renovação, MDB elege filhos de políticos tradicionais para comandar partido, como o goiano Daniel Viela, filho de Maguito (Foto: Reprodução)

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin autorizou abertura de investigação contra o ex-prefeito de Aparecida de Goiânia e ex-senador Maguito Vilela (PMDB) e seu filho, o deputado federal Daniel Vilela (PMDB). Eles foram citados na delação premiada de dois ex-executivos da Odebrecht, no âmbito da Operação Lava Jato, por recebimento de pagamento via caixa para campanhas eleitorais.

O inquérito 4441 cita que os delatores Fernando Luiz Ayres da Cunha Santos Reis e Alexandre José Lopes Barradas relataram um repasse de R$ 500 mil para a campanha de Maguito Vilela a prefeitura de Aparecida de Goiânia em 2012. Já Daniel Vilela teria recebido R$ 1 milhão para a sua campanha para deputado federal em 2014.

Com a abertura da investigação, os processos devem seguir para a Procuradoria-Geral da República (PGR) e para a Polícia Federal (PF) para que sejam cumpridas as primeiras diligências contra os citados. Ao longo da investigação, podem ser solicitadas quebras de sigilo telefônico e fiscal, além da oitiva dos próprios acusados.

Em nota conjunta, Maguito e Daniel Vilela afirmaram que suas campanhas foram feitas com recursos contabilizados conforme a lei, que suas contas foram aprovados pela Justiça Eleitoral e que elas estão disponíveis no site do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Maguito e Daniel também afirmaram que nunca estiveram com os delatores, nunca falaram com eles e sequer os conhecem.”Ambos refutam qualquer acusação. Informam ainda que não foram notificados das investigações do Supremo Tribunal Federal e que estão tranquilos e convictos de que a ação será arquivada porque não tem qualquer lastro na realidade”, diz o texto.