BALANÇO SEMANAL

Crescimento do coronavírus em Goiás cai, mas estado fica acima da média nacional

Entre os dias 25 de junho e 2 de julho, registrou-se um aumento de 30,55%, contra 21,88% no país. Óbitos crescem mais do que casos no estado


Artur Dias
Do Mais Goiás | Em: 03/07/2020 às 11:14:03


O Estado de Goiás registrou 6.147 casos de coronavírus em uma semana, de acordo com os dados fornecidos pela Secretaria de Estado de Saúde (SES)*. Nesta quinta-feira (2), foram anotadas 26.263 confirmações, contra 20.116 do dia 25 de junho. O aumento no período foi de 30,55%; no país, o índice foi de 21,88%.

Os números mostram que a doença se espalhou com menor velocidade no território goiano com relação à semana anterior. No último levantamento semanal feito pelo Mais Goiás, que apurou dados publicados entre os dias 18 e 25 de junho, o crescimento foi de 50,50%. O aumento também é menor do que o apurado entre os dias 11 e 18 de junho (73,67%) e do que o levantado entre os dias 4 e 11 de junho (53,21%).

O número de mortes por Covid-19 cresceu em um percentual maior do que o número de casos. Foram registrados 161 óbitos no período e o total chegou a 384, o que representa um aumento de 41,92%. Entretanto, crescimento foi menor do que o registrado na semana anterior (18 a 25 de junho), que chegou a 45,45% e maior que o aferido entre os dias 11 e 18 de junho (39,68%).

Os números também mostram que tanto o número de casos quanto de óbitos tem crescido acima da média nacional. Em todo o país, o número de confirmações da doença cresceu 21,88% no período, chegando a 1.496.858 infectados, de acordo com o Ministério da Saúde (MS).  Já o número de vítimas fatais cresceu 12,57% e chegou a 61.884. Entretanto, a taxa de letalidade no estado de Goiás (2,07%) é menor do que a média brasileira (4,1%).

Três maiores municípios

Entre as três maiores cidades do estado, Anápolis registrou o maior aumento.  O número de casos saiu de 653 para 966, um crescimento de 47,93% no período. Proporcionalmente, a alta foi maior do que a notada no período anterior, quando o acréscimo foi 36,86%.

Já o número de óbitos aumentou muito no período, saindo de 5 para 14, o que representa um aumento de 180%. Na semana anterior não foi registrado nenhuma morte pela doença.

Em Aparecida de Goiânia foram confirmados 934 novos casos, um aumento de 47,33%. Na semana anterior, o crescimento foi de 57,58%. O aumento das mortes acompanhou a tendência estadual e foi superior ao de casos. No período apurado, o número de óbitos saiu de 37 para 60, um acréscimo de 62,16%.

Já na capital, foram confirmados 1.177 novos casos da doença em uma semana, um crescimento de 19,80%. O aumento foi menor do que nas três semanas anteriores, quando registrou-se 35,13% (de 18 a 25 de junho), 58,44% (de 11 a 18 de junho) e 34,69% (de 4 a 11 de junho).

O total de óbitos apurado na cidade até quinta (2) foi de 186. Foram 48 mortes no período, o que representa um aumento de 34,78%. Esse percentual foi maior do que o percebido na semana anterior, quando atingiu 39,39%.

Goiânia continua a ser o epicentro da doença, concentrando 27,10% dos casos do estado. Entretanto, o percentual de casos da capital com relação a Goiás vem caindo. Na semana anterior, o índice era de 29,53%.

Coronavírus no Entorno do DF

A região do Entorno de Brasília apresentou um percentual de crescimento acima da média estadual. Em uma semana foram registrados 1.145 novos casos, o que representa um aumento de 36%. O valor é menor do que o registrado na semana anterior, de 38,14%. Foram confirmadas também 23 mortes na semana, uma alta de 25,55%.

O maior número de casos foi registrado em Luziânia. Lá foram confirmados 300 casos em uma semana o total agora é de 794. Em seguida vem Águas Lindas de Goiás (773) Valparaíso de Goiás (626), Planaltina de Goiás (399) e Santo Antônio do Descoberto (362).

Isolamento social

Depois de uma série de quedas, o índice de isolamento social em Goiás voltou a subir nessa semana, saindo de 35,2% para 37,1% , de acordo com o monitoramento da empresa de georreferenciamento In Loco. O estado possui o terceiro pior índice de isolamento social do país, perdendo apenas para Santa Catarina (37%) e para o estado do Tocantins (33,9%). A média nacional é de 39,2% e o recomendado pelas autoridades de saúde é de 70%.

*Os dados foram colhidos no painel digital da SES ao longo da semana. Como as informações são atualizadas a cada 30 minutos, a reportagem coletou os números, dia a dia, às 16 horas. Os dados do governo do estado podem divergir das informações divulgadas pelas prefeituras de cada cidade.