Operação Sexto Mandamento

Coronel preso pela PF durante a Operação Sexto Mandamento é absolvido

Carlos César Macário, que era subcomandante da PM em 2011 ficou sete meses preso acusado de integrar grupo de extermínio





//

Quatro anos após passar quase sete meses preso, grande parte em um presídio federal, o coronel da Polícia Militar de Goiás, Carlos César Macário, foi absolvido das acusações de integrar um grupo de extermínio. Além dele, a Juíza de Acreúna, Vívian Martins Melo Dutra, absolveu também outros cinco policiais militares que também foram presos na época.

Foi em 15 de fevereiro de 2011 que policiais federais prenderam em Goiás, 18 policiais militares acusados de integrar um grupo de extermínio que agia dentro da corporação. O caso que ganhou maior notoriedade foi do Coronel Macário, considerado um oficial “linha dura”, e que na época era o subcomandante geral da PM Goiana.

Apontados como perigosos e influentes, os policiais foram transferidos para o Presídio Federal de Campo Grande no Mato Grosso do Sul, onde permaneceram presos até o início de setembro. Na última segunda-feira (16/11), a Juiza Vívian Martins absolveu sumariamente o coronel e outros cinco PMs. Logo após ser solto em 2011, Carlos Macário entrou para a Reserva Remunerada (aposentadoria) da PM. Em 2014 ele concorreu ao cargo de Deputado Estadual mas não conseguiu votos suficientes para que fosse eleito.

Veja abaixo o despacho da juíza:

A) ABSOLVER SUMARIAMENTE MARCIO FERREIRA LEITE E WEBER SOARES CHAGAS, COM FULCRO NO ART. 415, INCISO II, DO CODIGO DE PROCESSO PEN (AL. B) ABSOLVER SUMARIAMENTE JOSE FRANCISCO FERREIRA LOPES, RODRIGO EUZEBIO PEREIRA, CARLOS CESAR MACARIO E REGINALDO FELISBINO ROSA, COM FULCRO NO ART. 415, INCISO IV, DO CPP, EM RAZAO DA PRESENCA DA EXCLUDENTE DE ANTIJURICIDADE CONSISTENTE NO ESTRITO CUMPRIMENTO DO DEVER LEGAL, PREVISTA NO ARTIGO 23, INCISO III, DO CODIGO PENAL. SEM CUSTAS. PUBLIQUE-SE. REGISTRE-SE. INTIMEM-SE. TRANSITADA EM JULGADO, ARQUIVEM-SE COM AS BAIXAS DE ESTILO.

ACREUNA, 16 DE NOVEMBRO DE 2015.

VIVIAN MARTINS MELO DUTRA – JUIZA DE DIREITO