Conversa Franca

Conversa Franca: “Eu dei a volta por cima. E vou voltar para o Senado”, diz Demóstenes Torres

Ex-senador garante que deu a volta por cima e pretende voltar ao Senado ainda nesse ano. Entrevista é a primeira do "Conversa Franca", do Mais Goiás


Altemar Santos
Do Mais Goiás | Em: 11/01/2018 às 10:55:55

Demóstenes Torres (Foto: Mais Goiás)
Demóstenes Torres (Foto: Mais Goiás)

O Mais Goiás inicia hoje o Conversa Franca, um espaço aberto a personalidades que têm influência no cenário político e cultural do nosso Estado para discutir temas atuais. Antecipando os debates das eleições deste ano, começamos com a entrevista de uma das figuras mais polêmicas da política goiana: o ex-senador e atual procurador de justiça, Demóstenes Torres.

Atualmente filiado ao PTB, o ex-senador garante que deu a volta por cima e pretende voltar ao Senado Federal. Demóstenes protocolou pedido de anulação do processo de cassação dele, feito em 2012. Se tudo der certo para o procurador, ele pode voltar ainda nesse ano à sua antiga cadeira no Congresso Nacional.

Além disso, Demóstenes vai lançar sua candidatura e concorrer novamente ao Senado este ano. “Eu ganhei várias e sucessivas vezes o direito de poder voltar ao ser comprovada a minha inocência. E se eu provei que sou decente, honrado e honesto, está na hora do eleitor avaliar a minha vida, o que eu fiz, e o que os outros fizeram também, né?! Deixa o eleitor decidir”, pondera.

O ex-senador frisou várias vezes sua inocência e ressaltou que sua cassação teve motivação política, cujo objetivo era interromper uma “carreira política brilhante”. Sobre as interceptações telefônicas realizadas pela Polícia Federal e divulgadas amplamente na imprensa à época da Operação Monte Carlo, em 2012 – e que culminaram com o seu processo de cassação -, o ex-senador argumentou que elas foram editadas com o objetivo de prejudicá-lo.

“Fizeram aquele apanhado nitidamente com o caráter absolutamente político, vazaram com as coisas distanciadas umas das outras para dar a impressão de que eu era uma figura incrustada na política, mas oriunda do mundo do crime”, defende-se.

Mesmo com esse passado polêmico, o ex-senador está confiante e garante que não só ganhará a eleição, como será o mais votado no Estado. “Confio nisso: que a história verdadeira vai prevalecer”, diz.

Trajetória

Demóstenes Torres é natural de Anicuns e é formado em Direito pela antiga Universidade Católica de Goiás (hoje PUC-GO). Em 1983 ele ingressou no Ministério Público do Estado de Goiás e chegou a ser o procurador geral do órgão. Em 1999 foi convidado pelo governador Marconi Perillo (PSDB) e se tornou secretário de Segurança Pública do Estado, cargo que ocupou até 2002.

Filiado ao DEM, o então secretário de Segurança Pública foi eleito senador em 2002. Em 2004 Demóstenes chegou a concorrer ao governo do Estado, mas perdeu para o seu antigo patrão: Marconi Perillo.
Demóstenes continuou no Senado e foi reeleito em 2010. Dois anos depois, em 2012, no âmbito das investigações das Operações Vegas e Monte Carlo, ele foi denunciado por crimes de corrupção passiva e advocacia privilegiada.

Na denúncia, o Ministério Público de Goiás (MPGO) acusou o senador de recebeu vantagens indevidas para favorecer o bicheiro Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira. Na época, Demóstenes foi cassado no Senado Federal e também perdeu o direito de exercer seu cargo na Procuradoria do Estado.

Em 2016, o Supremo Tribunal Federal (STF) anulou validades das provas obtidas em interceptações telefônicas, consideradas ilícitas. Em junho do ano passado, o Tribunal de Justiça de Goiás definiu pelo arquivamento do processo contra o ex-senador. Em setembro, Demóstenes voltou a assumir seu posto no MPGO.