Viagens

Confira quais os países abertos para brasileiros na pandemia

Em grande parte dos territórios, o viajante está sujeito a algum tipo de quarentena


Agência O Globo
Agência O Globo
Do Agência O Globo | Em: 30/10/2020 às 10:40:20

Pessoas aproveitam um dia de sol às margens do Rio Tâmisa, na altura da Tower Bridge, um dos cartões-postais de Londres (Foto: JUSTIN TALLIS / AFP)
Pessoas aproveitam um dia de sol às margens do Rio Tâmisa, na altura da Tower Bridge, um dos cartões-postais de Londres (Foto: JUSTIN TALLIS / AFP)

Se no começo do ano alguém dissesse que em agosto seria mais fácil para o brasileiro viajar a turismo para Londres do que para Buenos Aires, muita gente duvidaria. E que Istambul estaria mais à mão do que Orlando? O cenário, um dos tantos que contrariam a lógica em que vivíamos até fevereiro, virou realidade com a pandemia. Reino Unido e Turquia estão entre os destinos que estão abertos aos turistas que viajam a partir do Brasil.

A Argentina é a mais recente a aderir à lista, que chega a cerca de 70 países, de acordo com a página da Associação Internacional de Transporte Aéreo (Iata, na sigla em inglês). Na nação vizinha, desde sexta-feira (30), viajantes de Brasil, Bolívia, Chile e Paraguai podem entrar no país, apenas por via aérea e chegando ao Aeroporto de Ezeiza, na Grande Buenos Aires. Estrangeiros somente poderão circular pela Região Metropolitana da capital e precisam apresentar exame PCR negativo, realizado em até 72h antes do embarque, já para a companhia aérea, entre outros restrições.

Outros países e territórios que não têm restrições expressas a entradas de viajantes brasileiros a lazer, em voos que partem do Brasil (com ou sem conexão no meio do caminho), também exigem algum tipo de testagem negativa para Covid-19, seja realizada antes do voo, seja no momento do desembarque (quando, em certos casos, é cobrado à parte). A triagem com questionário sobre condições de saúde, sintomas e medição de temperatura é outro requisito comum. E ainda que muitos lugares não demandem diretamente, um seguro viagem com ampla cobertura é item obrigatório, sobretudo se o voo passar por algum aeroporto do Espaço Schengen, na Europa.

A questão da quarentena

Em grande parte desses territórios, o viajante está sujeito a algum tipo de quarentena, em geral de 14 dias, o que por si só representa uma dificuldade às viagens de lazer convencionais, feitas em períodos de férias. Em alguns, essa restrição é obrigatória a todos os passageiros que chegam por seus aeroportos.

Este é o caso de países europeus como Reino Unido e Irlanda, que nunca chegaram a impor barreiras aos viajantes brasileiros. Ainda assim, o turista é obrigado a cumprir quarentena de 14 dias, com ou sem sintomas aparentes de Covid-19. Voos de British Airways e Latam continuam saindo com alguma regularidade de Rio e São Paulo para o aeroporto de Heathrow, de onde se pode seguir viagem para terras irlandesas ou permanecer em solo britânico.

A mesma obrigatoriedade não acontece em outros países europeus, sobretudo nos Bálcãs. Quem pretende visitar a Croácia a turismo precisa comprovar a reserva em algum meio de hospedagem por todo o período que durar a estadia, e apresentar um teste PCR negativo para Covid-19, realizado em até 48 horas antes do embarque. Apenas quem chegar sem o teste ou com sintomas deverá ficar em isolamento por 14 dias. Sérvia, Kosovo, Albânia e Macedônia do Norte também estão abertos aos brasileiros e sem exigências de autoisolamento.

Irlanda e Croácia são as exceções na União Europeia no que diz respeito à aceitação de turistas brasileiros. O bloco recomendou o fechamento de fronteiras para viagens não essenciais a partir do Brasil, o que não se aplica a cidadãos com passaporte europeu. Mas vale lembrar que, depois de cumprido o período de quarentena num país da União Europeia ou um parceiro (como o Reino Unido), o turista brasileiro pode seguir viagem para outros destinos no continente, desde que respeitando as exigências fronteiriças de cada um.

Uma estratégia semelhante vem sendo adotada por alguns viajantes brasileiros para entrar nos Estados Unidos, ainda que não cumpram os requisitos de ingresso direto naquele país (como cidadania, residência comprovada, visto de trabalho ou passaporte diplomático). Voam para o México, onde ficam por pelo menos 14 dias. E de lá, seguem seguem para território norte-americano, já que a fronteira entre os dois países está aberta.

— Essa situação tem sido relativamente comum, já que brasileiros podem viajar para o México, e a restrição de entrada nos Estados Unidos não é exatamente pela nacionalidade, e sim a pessoas que tenham passado pelo nosso país nos 14 dias anteriores à viagem. Mas há um risco muito grande de, mesmo assim, os oficiais de imigração impedirem a entrada desses viajantes brasileiros, por perceberem se tratar de uma “manobra”. Então, o recomendável é que as pessoas só viagem para países onde a entrada é realmente permitida — explica Alex Santos, gerente da filial de Campinas da Schultz Vistos, empresa especializada em documentação de viagem.

Como ficam as conexões?

As ruínas de Tulim, de frente para o mar, na Riviera Maya, no litoral do México (Foto: Pedro Kirilos / Arquivo / Agência O Globo)

Outra grande dificuldade apresentada a quem quer fazer viagens internacionais são as conexões. Um bom exemplo é o Caribe. Lá, estão 12 desses países e territórios para onde, tecnicamente, brasileiros poderiam viajar neste momento. Mas não há voos diretos para lugares como Bahamas, Cuba, Jamaica e República Dominicana, os destinos caribenhos mais populares entre os brasileiros. Para a maior parte dessas ilhas, seria preciso fazer conexões nos Estados Unidos e no Panamá.

Aviação:Saiba que companhias aéreas já operam voos internacionais no Brasil

Salvo raras exceções, brasileiros estão impedidos de pousar nos aeroportos americanos, mesmo que para trânsito. Já o país da América Central só deve reabrir suas fronteiras em 22 de setembro, e sua principal companhia aérea, a Copa Airlines, reduziu drasticamente a operação e voltará a voar de São Paulo para Santo Domingo no mês que vem.

— A dificuldade neste momento está na quantidade de voos oferecidos. A maioria das companhias aéreas internacionais ainda possui apenas 30% dos voos regulares. E sem dúvida o impedimento de entrada em determinados países, inclusive para conexões, deve dificultar as viagens para determinados destinos neste momento — considera o diretor do site de busca de voos Kayak no Brasil, Eduardo Fleury.

O aeroporto da capital panamenha serve de hub também para outros os destinos abertos nas Américas Central e do Sul. É o caso dos sul-americanos Equador e Colômbia, que exigem teste negativo para Covid-19. E também do México, servido também por um voo direto entre São Paulo e a Cidade do México. Para entrar, o viajante só precisa preencher um formulário com informações sobre seu estado de saúde.

Para destinos mais distantes, como Egito e Maldivas, uma possibilidade é a Emirates, que continua voando de São Paulo a Dubai. E as companhias aéreas europeias, com as quais brasileiros podem fazer conexões (sem sair da sala de embarque). Uma delas é a Turkish Airlines, que deve retomar os voos entre Guarulhos e Istambul em novembro. Por ora, a Grande Mesquita de Santa Sofia parece estar mais perto do que o Magic Kingdom.

Para onde podemos ir?

O status de abertura de cada país, assim como suas exigências e condições de entrada, podem variar bastante, dependendo da evolução da pandemia, não apenas em seu território, mas também em outros países. Alguns sites compilam essas informações, e registram suas mudanças constantemente. Um deles é o COVID-19 Travel Regulations Map, da Iata. Outro é o mapa de Restrições de Viagem por País, do Kayak.

Abaixo, listamos os 47 países e territórios que não apresentam, neste momento, qualquer restrição expressa de entrada de turistas brasileiros.

Américas e Caribe

Antígua e Barbuda: Exige teste PCR negativo para Covid-19, realizado até 48 horas antes do embarque. Quem viajar sem teste, realizará um exame no aeroporto, ao custo de US$ 100. Exige também quarentena de 14 dias para os que não apresentarem o teste negativo ou que forem testados positivo ao desembarcar.

Bahamas: Exige teste PCR negativo para Covid-19, realizado até dez dias antes do voo, e o preenchimento do formulário Bahamas Health Visa, no site travel.gov.bs, antes do voo. E também quarentena de 14 dias.

Barbados: Exige teste PCR negativo para Covid-19, realizado até 72 horas antes do voo. Quem não tiver, será testado na chegada ao país. Pede também o preenchimento de um formulário disponível no site travelform.gov.bb Quarentena apenas para os passageiros que testarem positivo na chegada ao país.

Bermudas: Exige teste PCR negativo para Covid-19, realizado até sete dias antes do voo. Todos os passageiros serão testados novamente no aeroporto. O passageiro precisa também preencher o Bermuda Travel Authorisation e pagar uma taxa de US$ 75 no site gov.bm/coronavirus-travellers-visitors antes da viagem. Quarentena apenas para os passageiros que testarem positivo na chegada ao país. Enquanto estiverem na ilha, visitantes serão monitorados constantemente, com testes e medição de temperatura.

Argentina: A entrada dos turistas também dependerá da apresentação de um teste PCR negativo feito até 72h antes da partida, uma declaração legal preenchida eletronicamente e um seguro de saúde com cobertura para a Covid-19. As informações devem ser preenchidas até 48 horas antes da viagem e esses pré-requisitos serão exigidos já pelas companhias aéreas (no caso de saída do Uruguai, também pelas empresas de vias fluviais). Dentro do país, medidas de prevenção, como o uso de máscara e o distanciamento social permanecem obrigatórias.

Colômbia: Exige teste tipo PCR negativo para a Covid-19, realizado até 96 horas antes do embarque. Todos os visitantes também devem se registrar, previamente, no site Check-Mig (migracioncolombia.gov.co), do serviço de imigração colombiano, entre 24 horas e uma hora antes do embarque. Não há a exigência de quarentena.

Cuba: Testes para Covid-19, tipo PCR, são realizados na chegada ao país. O passageiro que testar positivo será levado a um hospital. Turistas podem pousar apenas nos aeroportos de Cayo Coco, Cayo Largo del Sur e Santa Clara.

Dominica: Exige teste PCR negativo para Covid-19 realizado até 72 horas antes do voo e o preenchimento de um questionário on-line no site domquestionnaire.dominica.gov.dm. Passageiros passarão por teste rápido e medição de temperatura no aeroporto e estão sujeitos a quarentena de 14 dias.

Equador: Exige teste PCR negativo para Covid-19, feito até dez dias antes da viagem, e quarentena de 10 dias para quem não apresentar o teste ou for testado positivo após o desembarque.

Guatemala: Passageiros que chegarem sem um comprovante de teste PCR negativo para Covid-19 feito até 72 horas antes do embarque estão submetidos a quarentena de 14 dias.

Haiti: Passageiros terão sua temperatura medida após o desembarque e precisam preencher um formulário sobre condições de saúde na chegada.

Honduras: Exige teste PCR ou rápido negativo para Covid-19, feito até 72 horas antes da chegada, o preenchimento do formulário eletrônico do site prechequeo.inm.gob.hn antes da viagem, e quarentena de 14 dias.

Jamaica: Realiza exame para Covid-19 na chegada ao país. Antes do voo, é necessário obter uma autorização de viagem no site visitjamaica.com.

México: Turistas precisam apenas preencher um questionário sobre suas condições de saúde na chegada ao país. Quarentena apenas para os que apresentarem sintomas na chegada.

Nicarágua: Exige teste negativo para Covid-19 feito até 72 horas antes da chegada. Os passageiros estão sujeitos a rastreamento de contato por 14 dias, para saber se não desenvolveram sintomas.

Panamá: Exige teste negativo tipo PCR para Covid-19 feito até 48 horas antes da chegada no Panamá. Quarentena apenas para os que apresentarem sintomas na chegada (passageiros poderão ser submetidos a testes no desembarque, caso também estejam com febre). Antes do check-in, ainda no Brasil, os viajantes deverão preencher uma declaração juramentada eletrônica sobre seu estado de saúde, no site do Visit Panamá.

Paraguai: Entrada, por enquanto, apenas pela Ponte da Amizade, que liga Foz do Iguaçu a Ciudad del Este. A principio, apenas residentes de Foz do Iguaçu podem cruzar a fronteira, o que só é permitido de carro. A circulação em território paraguaio não deve ultrapassar 30 quilômetros da aduana. Não exige teste para Covid-19 nem quarentena.

República Dominicana: Exige teste PCR negativo para Covid-19, realizado até cinco dias antes da chegada. Quem não apresentar o certificado, será testado ao desembarcar, e quem estiver infectado deverá ficar em quarentena. Uma Declaração de Saúde do Viajante deverá ser preenchida na chegada.

São Vicente e Granadinas: Exige teste negativo para Covid-19, realizado até cinco dias antes do voo. Quem não tiver esse certificado, será testado assim que pousar. Quem testar positivo deverá ficar em quarentena. O Pre-Arrival Travel Form, disponível no site health.gov.vc, deve ser preenchido antes da viagem.

Santa Lúcia: Exige teste PCR negativo para Covid-19, realizado até sete dias antes da viagem. É preciso preencher o Pre-Arrival Registration Form, no site stlucia.org/en/covid-19/. Quarentena de 14 dias.

Turks e Caicos: Exige teste PCR negativo para Covid-19, realizado até cinco dias antes do embarque, e a autorização de viagem no site turksandcaicostourism.com.

Uma rua do centro histórico de Dubrovnik, na Croácia (Foto: DENIS LOVROVIC / AFP)

Europa

Albânia: O país não exige apresentação de teste para Covid-19 nem quarentena.

Andorra: Exige quarentena de 15 dias para quem não é cidadão europeu e só permite entrada por França ou Espanha.

Croácia: Exige teste negativo para Covid-19, realizado 48 horas antes do voo, e mede temperatura medida de todos que chegam. Quem não tiver o teste precisa fazer quarentena de 14 dias. É necessário preencher o formulário eletrônico no site entercroatia.mup.hr antes da viagem e comprovar a reserva de algum meio de hospedagem para o período da estadia.

Irlanda: Exige quarentena de 14 dias a todos os visitantes.

Kosovo: Exige teste PCR ou rápido negativo para Covid-19, feito até quatro dias antes da chegada.

Macedônia do Norte: Não exige nem teste nem quarentena.

Reino Unido: Turistas devem preencher um formulário que indica a localização de onde será feita a quarentena obrigatória de 14 dias.

Sérvia: Não exige teste nem quarentena.

Turquia: Realiza teste PCR para Covid-19 após o desembarque. Os casos positivos deverão ficar em quarentena. Passageiros devem também preencher um formulário com informações de localização no país.

Ucrânia: Exige teste PCR realizado até 48 horas antes da chegada. Viajantes estão sujeitos a quarentena de 14 dias. Mais detalhes no site da imigração ucraniana.
África

Burkina Faso: Exige teste PCR negativo para Covid-19, feito até cinco dias antes da chegada. Quarentena de 14 dias, durante a qual passageiros serão testados três vezes após a chegada: no 1º, no 8º e no 14º dia no país.

Chade: Exige teste PCR negativo para Covid-19 feito até 72 horas antes do embarque. Quarentena de 14 dias.

Costa do Marfim: Exige teste PCR para Covid-19 feito ate sete dias antes da chegada. Um formulário de saúde deve ser preenchido antes da viagem, pelo site do governo marfinense.

Egito: Exige teste PCR negativo para Covid-19 feito 48 horas antes da viagem, e o preenchimento de um formulário na entrada do país. Quem não apresentar o teste ou testar positivo na chegada deve ficar quarentena de 14 dias.

Etiópia: Exige teste PCR negativo para Covid-19, feito até cinco dias antes da chegada e quarentena de 14 dias, sendo os sete primeiros em instalações do governo.

Guiné: Exige teste PCR negativo para Covid-19, feito até cinco dias antes da chegada, e quarentena de 14 dias.

Guiné-Bissau: Exige teste PCR negativo para Covid-19, feito até 72 horas antes da viagem.

Mali: Exige teste PCR negativo para Covid-19, feito até três dias antes do embarque. Quarentena de 14 dias.

Níger: Exige teste PCR negativo para Covid-19, feito até 72 horas antes do embarque.

Nigéria: Exige teste PCR negativo para Covid-19, feito até 96 horas antes da chegada ao país. Passageiros devem preencher um formulário de declaração de saúde no site do Nigeria International Travel Portal (nitp.ncdc.gov.ng/onboarding/homepage). Na chegada, os viajantes devem entrar em quarentena. Sete dias após a chegada, um novo teste PCR é feito. Se o resultado der negativo, o viajante pode sair do isolamento.

Quênia: Exige teste PCR negativo para Covid-19, feito até sete dias antes do embarque.

República Democrática do Congo: Exige teste PCR negativo para Covid-19, feito até 72 horas antes do embarque, e quarentena de 14 dias.

Ruanda: Exige teste PCR negativo para Covid-19, feito até 72 horas antes do embarque, e mais um teste, a ser realizado na chegada, ao custo de US$ 50. Quarentena de pelo menos 24 horas, enquanto espera o resultado do teste. Em caso positivo, o passageiro será internado em uma instituição do governo.

Senegal: Exige teste PCR negativo para Covid-19, feito até sete dias antes da chegada. Quem viajar sem o certificado terá temperatura medida e precisará preencher um termo de responsabilidade.

Serra Leoa: Exige teste PCR negativo para Covid-19, feito até 72 horas antes do embarque, e o preenchimento de um formulário eletrônico no site travel.gov.sl.

Somália: Exige teste PCR negativo para Covid-19, feito até 96 horas antes da viagem, e quarentena.

Tanzânia: Exige teste PCR negativo para Covid-19, feito até 72 horas antes da chegada. Um formulário sobre as condições de saúde do passageiro deve ser preenchido na chegada.

Togo: Exige teste PCR negativo para Covid-19, feito até cinco duas antes da chegada. Um formulário sobre as condições de saúde doo viajante deve ser preenchido e enviado pelo site voyage.gouv.tg antes do voo.

Zâmbia: Quarentena de 14 dias.

Ásia e Pacífico

Camboja: Exige teste PCR negativo para Covid-19 feito até 72 horas antes da chegada. É necessário contratar um seguro viagem no valor de US$ 90 na Forte Insurance Company e o país exige um depósito no valor de US$ 2 mil para cobertura de despesas de saúde e gastos com a quarentena, que é de 14 dias e obrigatória.

Emirados Árabes Unidos: Exige teste PCR negativo para Covid-19 realizado até 96 horas antes do voo e um outro, na chegada ao aeroporto de Dubai, o único aberto a voos internacionais. Quarentena de 14 dias para que testar positivo.

Irã: Exige teste PCR negativo para Covid-19 feito até 96 horas antes da chegada. Passageiros devem também preencher um formulário com informações de saúde após o desembarque. Neste momento de reabertura, o visto de turista passa a ser emitido apenas na chegada, mas a solicitação deve ser feita antes da viagem, no site evisa.mfa.ir.

Líbano: Exige teste PCR negativo PCR para Covid-19 feito até 96 horas antes do embarque e outro, no momento da chegada. Quarentena de 14 dias apenas para os que testarem positivo na chegada ao país.

Maldivas: Passageiros devem preencher dois formulários disponíveis no site haalubelun.hpa.gov.mv antes da viagem, apresentar a comprovação de hospedagem e instalar o aplicativo de rastreamento de contatos Trace Ekee. Quarentena de 14 dias.

Polinésia Francesa: Exige teste PCR negativo para Covid-19, feito até 72 horas antes do embarque. Turistas estarão sujeitos a testagens aleatórias até quatro dias após sua chegada.