Do Mais Goiás

Condenado por improbidade, Sérgio Cardoso tem indicação ao TCM questionada na CCJ

Parlamentar de oposição afirma que, além do processo, o ex-secretário de Marconi é cunhado do ex-governador. Para Nelto, Sérgio seria um “olheiro” de Perillo na corte

A votação do processo legislativo de indicação do ex-secretário Extraordinário de Articulação Política na gestão do ex-governador Marconi Perillo (PSDB), Sérgio Antônio Cardoso de Queiroz, ao conselho do Tribunal de Contas dos Municípios (TCM) teve que ser adiada na tarde de quarta-feira (11). Isso porque o deputado de oposição José Nelto (Podemos) pediu vista, motivo pelo qual pode analisar o processo, segundo o regimento da casa, por 24h. Nelto afirma que, embora tenha sido elogiado por parlamentares durante a sabatina, o ex-secretário é cunhado de Perillo e condenado em primeira instância por improbidade administrativa.

A previsão, segundo o presidente da comissão Álvaro Guimarães (DEM) é de que a votação seja retomada nesta quinta-feira (12) a partir das 14h, em comissão ordinária. Caso Nelto queira utilizar o prazo completo, a votação deverá ser realizada em reunião extraordinária por volta das 16h. “Me parece que não vai ter problema. Ontem senti que a indicação pode ser aprovada por unanimidade. Nelto apenas quis usar o direito dele como opositor que é, entendo”, afirma Guimarães.  A comissão é formada por 11 parlamentares com direito a voto e outros 11 suplentes que podem fazer uso da palavra.

No entanto, Nelto reforça que a intensão dele é retornar o processo à votação dentro de 48h, com questionamentos sobre a indicação que, segundo ele, é “mais uma chacota do marconismo para Goiás”. “Sérgio é investigado criminalmente por improbidade administrativa e foi alvo, inclusive de questionamento da OAB, pelo mesmo motivo. Então, vou fazer vários questionamentos. Vão as perguntas e meu voto em separado. Estou concluindo meu voto e aguardarei o fim do prazo de 48h. O prazo é de 48h”, reforça.

Segundo José Nelto, a indicação é fruto de um acordo político entre Marconi e José Eliton (PSDB). “Não teve coragem de indicar o cunhado e passou a tarefa para o sucessor. Ele será olheiro do Marconi no TCM. Isso mostra o quanto o ex-governador é o rei da panelinha, uma vergonha para o nosso estado. Nunca na história um ex-governador indicou parentes para compor uma corte no estado de Goiás. Isso é uma maracutaia política”, ataca.

As críticas respingam ainda no governador José Eliton. “Em seu primeiro ato como governador já indica o cunhado do ex para ocupar cargo no TCM em um acordo político entre os dois”, afirma, se referindo a Marconi. Isso é uma vergonha para nosso Estado”.

Na reunião de quarta, o deputado e líder do governo na Alego Francisco Oliveira (PSDB) fez um apelo para que Nelto retirasse o pedido de vista, com intuito de acelerar a votação. José, entretanto, se negou a atender o pedido, alegando prerrogativas previstas no Regimento Interno da casa, além do parentesco do indicado com o Marconi e a supracitada investigação. A redação não conseguiu contato com Francisco Oliveira para que o parlamentar comentasse o assunto. A redação também tentou encontrar Sérgio Cardoso, também sem sucesso.

Questionamentos

Entre as perguntas que serão direcionadas a Sérgio, por José Nelto, estão indagações sobre a experiência do ex-secretário com assuntos relacionados à tarefa de Conselheiro do TCM e sobre a condenação obtida por ele em processo de improbidade administrativa em Março de 2018. Clique aqui para ter acesso à lista completa.

Caso a indicação seja aprovada, Sérgio assumirá como conselheiro em substituição ao atual ocupante Sebastião Monteiro Guimarães Filho, que  apresentou pedido voluntário de aposentadoria.