Cidades

Condenado por chacina na Serra das Areias está entre os foragidos da CPP em Aparecida

Thaygo Henrique, 24 anos, foi condenado em juri popular no último dia 15 pelas quatro mortes. Ele está preso desde 2013, ano do crime


Kayque Juliano

Do Mais Goiás | Em: 24/04/2019 às 09:32:43


(Foto: Andre Costa/Costapress/Estadão Conteúdo/VEJA)
(Foto: Andre Costa/Costapress/Estadão Conteúdo/VEJA)

Pelo menos 24 detentos fugiram da Casa de Prisão Provisória (CPP) de Aparecida de Goiânia, na noite desta terça-feira (23). De acordo com o Sindicato dos Servidores do Sistema de Execução Penal de Goiás (Sinsep), os detentos prepararam uma emboscada para os agentes prisionais que foram rendidos enquanto levavam os presos que trabalham na lanchonete do local de volta para as celas. Entre os foragidos, está o jovem Thaygo Henrique Alves Santana, 24 anos, condenado a 63 anos, no último dia 15, por ser o mentor da chacina da Serra das Areias, em Aparecida de Goiânia, que resultou na morte de quatro jovens, em 2013.

Thaygo está preso há seis anos e, por isso, a pena foi reduzida para 57 anos. Contudo, o Ministério Público de Goiás (MP-GO) recorreu e quer que a pena seja aumentada, já que considera que os crimes foram motivados por ciúmes do réu. Apesar de ter confessado o crime anteriormente, Thaygo negou os fatos durante o juri popular que durou quase 10 horas.

O crime

No dia 19 de agosto de 2013, Thaygo planejou a morte de Neylor Henrique, de 18 anos. Para a execução, ele teve ajuda de três comparsas. Thaygo foi até a casa da namorada Raissa de Souza Ferreira, de 15 anos, e pediu para que ela indicasse onde Neylor Morava. Posteriormente, a adolescente e a amiga Daniele Gomes da Silva foram forçadas a entrar no veículo em que Thaygo e os cúmplices estavam.

Na casa de Naylor, o jovem e um amigo dele, identificado como Denis Pereira dos Santos, 16 anos, foram obrigados também a entrar no veículo, que partiu para a Serra das Areias. No local, Raissa, Daniele e Neylor foram mortos com tiros na cabeça e tiveram os corpos carbonizados. Denis foi levado para um lugar mais distante e e também foi morto com um tiro na cabeça.