Agressão

Comerciante agredido por GCM na 44 alega que não fez gracejos para agente

Dono de loja que vende semijóias diz que teme retaliação, e promete entrar com ação por danos morais contra a Prefeitura de Goiânia

Cidades

Aulus Rincon
Do Mais Goiás | Em: 11/02/2020 às 15:13:47

(Foto: Reprodução)
(Foto: Reprodução)

O comerciante que foi filmado recebendo um tapa e jatos de spray de pimenta no rosto, na região da Rua 44, no Centro de Goiânia, na tarde da última sexta-feira (7), contesta a versão dada pelos agentes de que ele teria dito gracejos para Guardas Civis Metropolitanos. Os profissionais apoiavam fiscais da Prefeitura de Goiânia após a apreensão de algumas cervejas. Por meio de seu advogado, Diogo Rosa, o comerciante, que pediu para não ter o nome nem idade divulgados, disse que vai entrar com uma ação por danos morais contra a Prefeitura de Goiânia.

Assim que viu as imagens,  o gerente de articulação da GCM, José Pires, afirma que afastou o agente envolvido, que agora cumpre apenas funções administrativas. A câmeras de segurança de uma loja mostram primeiro uma breve discussão, depois a agressão por parte de um guarda. O agente afirma que relatou ao superiores que se irritou quando, durante a apreeensão de cervejas que eram vendidas ilegalmente por um camelô, o comerciante teria dito: “garantiram a bebida do final de semana, hein”. A versão é contestada pelo advogado do comerciante.

“Meu cliente e um sobrinho dele estavam na porta da loja quando os fiscais passaram com a mercadoria apreendida e um vizinho deles fez a brincadeira. Só que o guarda achou que tinha sido ele e parou. Ele, então, repetiu para o guarda que não havia dito nada. Mas mesmo assim foi agredido com um tapa na cara e depois com um jato de spray de pimenta. Por isso, já registramos uma queixa no 1º Distirto Policial. E vamos cobrar, junto à Prefeitura de Goiânia, além da punição exemplar para este agente, uma reparação por danos morais”, relatou Diogo Rosa.

O advogado disse, ainda, que o comerciante, que tem loja há vários anos dentro de uma galeria na Região da 44, está com medo de voltar a trabalhar e ser hostilizado por colegas do guarda. Na ocorrência registrada no 1º Distrito Policial, o vizinho da loja do comerciante agredido confirmou ter sido ele quem fez a brincadeira com os GCMs.