Começa reconstrução de casas destruídas por reservatório que desabou em Senador Canedo

Queda do reservatório ocorreu em 8 de julho deste ano e deixou um jovem gravemente ferido

Casas começam a ser reconstruídas após queda de reservatório em Senador Canedo
A queda do reservatório ocorreu em 8 de julho deste ano e deixou um jovem gravemente ferido (Foto: Corpo de Bombeiros)

Teve início, na última segunda-feira (11), a reconstrução das casas que foram atingidas pela queda de reservatório em Senador Canedo, fato ocorrido em julho deste ano e que deixou gravemente ferido um jovem de 18 anos. A reconstrução das residências é fruto de negociação entre a Agência de Saneamento de Senador Canedo (Sanesc) – que ficou por conta das obras – e as famílias afetadas pelo incidente.

A consolidação do acordo com a assinatura do Termo de Compromissos que autoriza a Sanesc a fazer os reparos aconteceu na última quarta-feira, dia 6 de outubro. A negociação foi feita com cinco famílias, mas somente quatro aceitaram o acordo – uma delas, que teve a casa totalmente destruída, terá a edificação reconstruída do zero. Já as outras passarão por restaurações.

Causas e efeitos da queda de reservatório em Senador Canedo

O desabamento do reservatório no Parque Industrial, em Senador Canedo, foi registrado no dia 8 de julho deste ano. À época, o jovem Yuri Louredo, de 18 anos, foi atingido e ficou gravemente ferido. Ele foi encaminhado para uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) e, em seguida, para o Hospital de Urgências Governador Otávio Lage de Siqueira (Hugol), tendo alta no dia 12 do mesmo mês.

Ao Mais Goiás, o presidente da Sanesc, Cainã Teodoro, informou que a Polícia Técnico-Científica elaborou um parecer que atribuía a responsabilidade do desabamento ao projetista responsável pelo reservatório. No entanto, segundo ele, o Ministério Público teria considerado o documento inclusivo, solicitando um novo – que está em fase de elaboração.

Na ocasião, o responsável técnico pelo projeto da caixa d’água chegou a ser indiciado por lesão corporal culposa. A reportagem entrou em contato com a Polícia Técnico-Científica e com o Ministério Público sobre o caso, e aguarda um retorno.

Atualização:

Em nota enviada ao Mais Goiás, o Ministério Público declarou o que segue:

“A 4ª Promotoria de Justiça de Senador Canedo esclarece que o laudo de perícia criminal contido nos autos foi concluído em 13 de agosto de 2021, tendo sido elaborado pela Seção de Engenharia Forense do Instituto de Criminalística Leonardo Rodrigues (ICLR) – Superintendência de Polícia Técnico-Científica. O Ministério Público de Goiás não apontou inconsistências no referido documento; contudo, o laudo apontou pessoas envolvidas na execução inicial da obra e responsáveis pela manutenção do reservatório que não foram ouvidas pela autoridade policial. Assim, o MP requereu a devolução dos autos de inquérito policial à autoridade policial para que essas pessoas sejam ouvidas e, ainda, juntados documentos, relatórios e registros do reservatório, informações que o órgão ministerial entende necessárias.”

Já a Já a Polícia Técnico-Científica confirmou a requisição do MP, mas adiantou que o laudo com as modificações solicitadas já foi concluído e enviado à Delegacia de Polícia de Senador Canedo.