Cidades

Com salários atrasados, professores protestam na Secretaria da Fazenda

Docentes manifestam devido ao não pagamento do salário de dezembro de 2018. Governo diz que valor não foi empenhado pelo governo anterior


Fabricio Moretti

Do Mais Goiás | Em: 27/02/2019 às 16:18:27


Os docentes exigem o pagamento dos salários de dezembro de 2018 (Foto: Mais Goiás)
Os docentes exigem o pagamento dos salários de dezembro de 2018 (Foto: Mais Goiás)

Professores da rede estadual de Educação de Goiás se manifestaram na sede da Secretaria da Fazenda (Sefaz), em Goiânia, na tarde desta quarta-feira (27). A principal solicitação é pelo pagamento dos servidores aposentados, que não têm previsão de recebimento.

“Vamos cobrar o dos aposentados primeiro. Vamos cobrar da secretária uma data para realização do pagamento. Os da ativa já têm uma previsão para ir liberando. Porém, quanto ao salário dos aposentados, o governo até agora não deu nenhuma posição”, afirma Bia de Lima, presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Goiás (Sintego).

Ainda segundo o sindicato, caso o governo estadual não dê previsão ainda nesta quarta-feira para efetuar o pagamento de todos os servidores e aposentados, eles devem ocupar a Sefaz.

O último grupo que recebeu o salário de dezembro foram os servidores ativos com salários de até R$ 3.600. “Estamos atrás de todos os recursos para sair o pagamento integral da educação. Estamos aqui ocupando e vamos aguardar a secretária atender nossa demanda”, informou o Sindicato.

A justificativa do governo de Ronaldo Caiado (DEM) é que o valor não havia sido empenhado pelo governo anterior, do tucano José Eliton (PSDB). Além disso, a dívida herdada impediria que os valores fossem repassados.

“A gente não quer nada de graça. Queremos o salário que trabalhamos muito para isso”, afirma a professora aposentada, Emilce Queiroz de Oliveira. Ela ainda disse o governador estaria “jogando” com os servidores, pois hora diz que vai pagar o salário de dezembro, hora que será pago apenas o do mês atual.

“Ele não se lembra que quem está aposentado são pessoas de mais idade, que necessitam de alimentação, como ele. E que necessitam de remédios mais do que ele, que está saudável. A gente está aposentada mas não está morta”, completou a professora.

Participam do ato docentes de cidades como Goiânia, Iporá, Caldas Novas, Piracanjuba, Goiatuba, Palmeiras, Rio Verde, Uruaçu, Niquelândia, Campos Belos, São Luís, Cidade de Goiás, Anápolis, Aparecida de Goiânia, Jataí e Morrinhos. Antes disso, os professores estavam na Assembleia Legislativa de Goiás (Alego), onde a secretária da Fazenda, Cristiane Schmidt, participava da Comissão de Finanças. Ao sair da reunião, Schmidt não quis falar com os professores. “Ela correu e não quis falar conosco, por isso estamos aqui, para buscar falar com ela agora e buscar definitivamente o pagamento de dezembro dos aposentados da educação. Porque no ano passado o governo de Goiás não gastou os 25% previstos para a educação, gastou apenas 22,5%. Com esse dinheiro daria para pagar os da ativa e também os aposentados”, afirma a presidente do Sindicato.

A manifestação foi convocada pelo Sintego. O grupo Mobiliza Goiás não participou porque estavam em outro ato, no mesmo horário, no Centro de Aparecida de Goiânia.