Sem pagamento

Com paralisação, Hugo prioriza atendimento a pacientes em estado grave

Segundo presidente do Sindsaúde, atendimento aos demais pode demorar, mas será realizado. UTI está funcionando e 100% das cirurgias eletivas foram suspensas; entidades se reúnem neste momento com a Gerir


Hugo Oliveira
Do Mais Goiás | Em: 23/10/2018 às 11:25:42

Hugo (Foto: divulgação/SES)
Hugo (Foto: divulgação/SES)

Com mais de 1 mil pessoas, entre técnicos de enfermagem e enfermeiros, sem salário há 16 dias, trabalhadores do Hospital de Urgências de Goiânia, contratados pelo Instituto Gerir, Organização Social responsável pela administração da unidade, paralisaram as atividades na manhã desta terça-feira (23). Por esse motivo, 100% das cirurgias eletivas encontram-se suspensas e o atendimento de urgência prioriza pacientes em estado grave. Ainda, parte dos chamados quarteirizados, condutores – que levam e buscam internamente pacientes para realização de procedimentos – , maqueiros, seguranças, operadores de elevador e funcionários da lavanderia, também sem receber, estão de braços cruzados.

De acordo com a presidente do Sindicato dos Trabalhadores(as) do Sistema Único de Saúde no Estado de Goiás (Sindsaúde/GO), Flaviana Alves, atendimento ágil só está sendo prestado a pacientes com fichas vermelhas, ou seja, em estado grave. Ela ressalta, porém, que demais necessitados receberão atendimento ao longo do dia, o que pode demorar. “Não estamos mandando ninguém embora, até porque um quadro simples pode evoluir para um grave. Então, atendemos os graves e depois, de acordo com a demanda, os demais serão atendidos, pode ser à tarde ou até à noite”.

Uma enfermeira confirma a situação. “Estão parando aos poucos, não podemos paralisar tudo, apenas procedimentos que não prejudicam as pessoas, como cirurgias eletivas. A informação que tivemos é de que não vai deixar te ter assistência. Os serviços serão paralisados de forma intercalada: funciona por umas horas, corta o atendimento por outras. Os trabalhos da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) estão funcionando normalmente”.

Reunião ocorre neste momento entre sindicatos e OS (Foto: assessoria/Sindsaúde)

A OS convocou entidades representativas para uma reunião na manhã desta terça-feira (23). O objetivo é buscar uma solução para a crise financeira da unidade, a qual tem ocasionado os atrasos salariais entre outros problemas. “Nos chamaram para dialogar. Ninguém quer prejudicar ninguém, mas, sem receber, já estamos sendo. Vamos ver o que eles tem a dizer. A expectativa é de que os trabalhadores recebam, porque a empresa deve cumprir com suas obrigações. Os atrasos somam cerca de R$ 4 milhões. Não é muito para o Estado repassar à OS. Não acredito que o Estado de Goiás não tem esse dinheiro”.

O Mais Goiás aguarda manifestação do Instituto Gerir.

Interdição

Na segunda (22), este portal noticiou que a superintendência Regional do Trabalho de Goiás (SRT-GO) e o Conselho Regional de Enfermagem de Goiás (COREN-GO) encaminharam ao Ministério Público Federal (MPF) uma representação criminal contra a Secretaria de Estado de Saúde de Goiás (SES) e a Secretaria Municipal de Saúde de Goiânia (SMS). O documento foi encaminhado depois que as Secretarias descumpriram termo de interdição que solicita que o Hospital de Urgências de Goiânia (Hugo) suspenda o atendimento de novos pacientes. O motivo é a falta de medicamentos, insumos e riscos para médicos, equipe de enfermagem e farmacêuticos.

Naquela oportunidade, a SES comunicou que “elaborou no início da semana passada as ações do plano de contingência para garantir o funcionamento do Hospital de Urgência de Goiânia (Hugo). Tais medidas – que estão sendo seguidas sem abrir mão do importante papel de salvar vidas no Hugo – foram comunicadas aos Ministérios Públicos Estadual e Federal, com os quais a SES-GO tem mantido contato permanente sobre a situação do Hugo e as providências tomadas. Sobre as demais medidas cabíveis, estão a cargo da Procuradoria Geral do Estado”. A SMS não deu retorno.