Alessandra Curado
Do Mais Goiás

Com histórico criminal “espantoso”, jovem de 18 anos é mantida presa pela justiça

Antecedentes de mulher presa em roubo causam espanto em juiz, que determinou prisão preventiva dela e comparsa. Mesmo sem antecedentes criminais, atos infracionais pesaram na decisão

O juiz de direito Carlos Magno Caixeta da Cunha, da 1ª Vara Criminal de Aparecida de Goiânia, converteu o flagrante em prisão preventiva para Luana Alencar de Oliveira e o comparsa Fernando Augusto Silva Chagas, ambos de 18 anos. Os dois devem permanecer presos. A decisão foi tomada em audiência de custódia realizada na tarde desta quinta-feira (12). Os dois foram presos após um roubo de um carro, no estacionamento de um supermercado. Luana tem um histórico de pelo menos vinte passagens por atos infracionais análogos a crimes, quando era menor.

Nesta audiência, não entrou no mérito a questão do crime praticado. O julgamento nesta etapa do processo é se os presos devem responder o processo criminal em liberdade. A prisão só é mantida quando o preso em flagrante oferece risco ao andamento do processo, ou à sociedade, no caso de reiteração criminal (quando o sujeito volta a praticar o mesmo crime). O juiz demonstrou estar espantado pela quantidade de atos infracionais de Luana e do comparsa.

Casos
Na última terça-feira (10), Luana foi novamente presa. Participou de um roubo de um HB-20 de cor vermelha. Uma mulher estava em um estacionamento de um supermercado, no Setor dos Afonsos, em Goiânia, quando foi vítima da jovem. A Polícia Militar estava com as informações das placas do veículo, e conseguiu chegar ao carro na Avenida Rio Verde. Luana dirigia e fugiu, quando notou estar sendo seguida. Ao lado dela estava Fernando Augusto Silva Chagas, de 18 anos, comparsa. Os policiais do Grupo de Intervenção Rápido Ostensiva (Giro) perseguiram o veículo até passar pela GO-040, e chegar ao Anel Viário, quando bateu em pelo menos dez outros carros.

Luana Alencar esteve envolvida na tentativa de latrocínio de uma modelo, em outubro de 2017. Ela aborda o carro, dá voz de assalto, tenta abrir a porta da motorista, e atira na vítima antes da mulher sair. A mulher ficou internada em um hospital de Goiânia, e não teve sequelas físicas.

Outra ocorrência que ficou conhecida, com participação confessa de Luana, foi em 5 de outubro do ano passado. Imagens de câmeras de segurança mostram a ação. O carro de um delegado da Polícia Civil, foi roubado, em Goiânia. No veículo, havia a arma do delegado.

Titular do Grupo de Repressão a Crimes Rurais e de Dívidas (GRCRD), o delegado Glaydson Carvalho foi abordado por um casal logo após entrar em no veículo, no Setor Parque Amazônia. Os bandidos chegaram ao local em um Fox de cor branca. Após ser retirado do carro, o delegado recebe uma coronhada nas costas, mesmo sem ter esboçado qualquer tipo de reação.