Do Mais Goiás

Com filha desnutrida, suspeita de abandono usava Bolsa Família para comprar bebidas

Desvio do dinheiro foi constatado pelo Conselho Tutelar. Mulher foi presa na quarta-feira por suposto abandono dos filhos de até 4 anos em 2020

Crianças foram deixadas em casa, que estava com as portas abertas quando a PM chegou ao local (Foto: divulgação/PM)

De acordo com a delegada da polícia civil, Bárbara Buttini, a mãe presa suspeita de abandonar os cinco filhos de até 4 anos, por 7 dias, sozinhos em uma residência em Alto Paraíso de Goiás, também utilizava o dinheiro que recebia do programa social Bolsa Família, para comprar bebidas alcoólicas. Desnutrida, a filha mais nova da mulher, com apenas seis meses de vida, precisou ficar um mês internada em Goiânia. Garota apresentava febre, baixo peso e crises convulsivas.

Ao Mais Goiás, a delegada explicou que o desvio do dinheiro foi constatado pelo Centro de Referência Especializado de Assistência Social (Creas) e pelo Conselho Tutelar. A investigadora não soube informar o valor que a mulher recebia do programa. “Diversas vezes os assistentes sociais chegaram na casa dela para fazer o acompanhamento e ela estava chegando do mercado com cervejas. O único dinheiro dela era proveniente do bolsa família”, explicou a delegada.

Presa mulher que teria abandonado os cinco filhos por 7 dias, em Alto Paraíso. PM afirma que criança mais velha tinha 4 anos

Presa mulher que teria abandonado os cinco filhos por 7 dias, em Alto Paraíso (Foto: Divulgação/PC)

Descaso

A Polícia Militar encontrou as cinco crianças, em dezembro de 2020, em situação de abandono na casa da família. A suspeita foi presa nesta quarta-feira (9), investigada por uma série de omissões no cuidado com os filhos.

Em janeiro deste ano, a filha da mulher de apenas 6 meses de idade, foi internada no hospital municipal da cidade. A bebê foi levada por vizinhos e apresentava febre, desidratação, convulsão e baixo peso corporal.

Por conta da gravidade do estado de saúde, a bebê acabou sendo transferida para um hospital em Goiânia, onde permaneceu internada por mais um mês, segundo a delegada.

A mulher nega todas as acusações. Aos policiais ela alega que não abandonou as crianças em dezembro e que não tinha dinheiro para comprar o leite do recém-nascido em janeiro. “Ela nega tudo, mas a criança tava desidratada, o que indica que nem água ela estava dando”, explica Bárbara.