Série A

Com Aranha vaiado, Grêmio e Santos ficam no 0 a 0

Jogo fica mais uma vez marcado pela relação entre a torcida do Grêmio e o goleiro santista




No reencontro entre Aranha e a torcida do Grêmio, os donos da casa não saíram de um empate sem gol com o Santos em partida de baixo nível técnico em Porto Alegre. Os gaúchos até comemoraram mais de 500 minutos sem levar gols, mas empataram a segunda seguida e perderam a chance de entrar no G4. Com 36 pontos, ficam em quinto, a dois do Inter (terceiro). O Santos, com 30, é só o nono.

O jogo, porém, ficou mais uma vez marcado pela relação entre a torcida do Grêmio e o goleiro Aranha. Há três semanas, o santista foi ofendido por gremistas, que o chamaram de “macaco”. Punido pelo racismo, o clube gaúcho foi eliminado da Copa do Brasil, o que colocou o Santos nas quartas de final.

Nesta quinta, Aranha não foi novamente vítima de racismo, mas foi tratado como se tivesse sido ele o vilão da história. Incentivada por declarações de dirigentes gremistas e principalmente de Felipão, que sugeriu que o goleiro armou uma “armadilha” no jogo polêmico, os torcedores do Grêmio pegaram no pé de Aranha.

“É triste (o comportamento da torcida). Eles parecem que concordam com tudo o que aconteceu (ofensas). Tenho de fazer minha parte. Estou tranquilo, sou profissional. Mas que é triste é triste”, disse Aranha, no intervalo, mostrando na sua feição que estava magoado com o que vivia.

O goleiro foi duramente vaiado quando foi ao gramado para fazer aquecimento, antes da partida, e também ao subir para o campo antes da partida, junto com seus colegas e adversários. Durante a partida, xingado a cada vez que pegou na bola. Em diversos momentos, o racismo deu lugar à homofobia. Muitos torcedores levavam a mão à boa ao ofender, evitando serem pegos pelas imagens.

Aranha tentava não se abalar e acabou sendo decisivo na partida. No primeiro tempo, fez duas grandes defesas em chutes de Lucas Coelho, aos 18 e aos 20 minutos – na segunda tentativa, a bola ainda bateu na trave depois da intervenção do goleiro. O Santos, com três atacantes, não ameaçava.

No segundo tempo, Aranha fez duas intervenções logo na volta do intervalo. Pegou chute fraco de Dudu e agarrou batida errada de Lucas Coelho, que desperdiçou chance. Isso foi tudo que aconteceu até o apito final, num jogo que fez a torcida ficar impaciente e até esquecer um pouco de Aranha. Robinho até tentou alguma coisa, sem sucesso.

FICHA TÉCNICA:
GRÊMIO 0 X 0 SANTOS

ÁRBITRO – Ricardo Marques Ribeiro (Fifa/MG).
CARTÕES AMARELOS – Ramiro e Matheus Biteco (Grêmio).
RENDA – R$ 488.563,00.
PÚBLICO – 18.904 pagantes.
LOCAL – Arena Grêmio, em Porto Alegre (RS).

GRÊMIO – Marcelo Grohe; Matías Rodríguez (Walace), Pedro Geromel Rhodolfo e Pará; Ramiro, Matheus Biteco, Fellipe Bastos (Riveros) e Luan (Fernandinho); Dudu e Lucas Coelho. Técnico – Luiz Felipe Scolari.

SANTOS – Aranha; Cicinho, Edu Dracena, David Braz e Zé Carlos; Arouca, Souza e Lucas Lima (Lucas Lima); Gabriel (Stéfano Yuri), Robinho e Leandro Damião (Geuvânio). Técnico – Enderson Moreira.