Clinica com suspeita de prática de maus-tratos e surto de Covid-19 é interditada em Anápolis

Ação contou a ação da Polícia Civil, Ministério Público, Vigilância Sanitária, e os conselhos de psicologia e saúde mental.

Polícia Civil ficará responsável pela investigação dos possíveis crimes praticados pelos responsáveis da clínica. (Foto: divulgação)

Uma clínica de reabilitação foi interditada na manhã desta quinta-feira (29) na região das Chácaras de Recreio Mansões do Planalto, próximo à BR-414, em Anápolis. A ação ocorreu após denúncias ao Ministério Público de Goiás e Vigilância Sanitária, que envolviam informações de maus-tratos e torturas aos internos, além problemas sanitários e de pessoas contaminadas pela Covid-19.

No final de junho outra clínica com denúncias de maus-tratos aos internos havia sido fechada pela Polícia Civil na cidade.

A ação conjunta para a interdição da clínica contou com a participação da Polícia Civil, Ministério Público, Vigilância Sanitária, e os conselhos de psicologia e saúde mental.

“Observamos diversas irregularidades, dentre elas remédios sem receita, o estabelecimento não possui alvará de vigilância sanitária, os internos que estavam no local de forma involuntária não atendiam os requisitos legais, ou seja, o estabelecimento deveria realizar atendimento à saúde atendendo legislações específicas, o qual ele não fazia”, afirmou Gubio Dias Pereira, Gerente Municipal de Vigilância Sanitária.

Segundo a vigilância, além do local ser interditado os medicamentos que estavam irregulares foram apreendidos. A ação também observou a possibilidade de internos estarem convivendo com o vírus Covid-19.

“Observamos que testes rápidos eram realizados na clínica, e três desses testes foram identificados com o resultado positivo, diante disso iremos fazer uma investigação de surto de Covid, junto com a Vigilância Epidemiológica, para identificar se existem mais pessoas que estão contaminadas ou não”, pontuou Gúbio.

A Polícia Civil ouviu o depoimento dos proprietários da clínica, que poderão ser responsabilizados pelas condutas praticadas no local.

Segundo a vigilância, os internos que não forem diagnosticados com o coronavírus serão reencaminhados às suas residências ou para a rede de assistência à saúde mental.

Relembre

Uma força tarefa realizada em junho interditou uma clínica de reabilitação de usuários de drogas e resgatou internos que eram mantidos em cárcere privado no local, em Anápolis.

A operação resultou  na prisão dos responsáveis pela clínica. Eles foram autuados por posse ilegal de armas de fogo e munições, cárcere privado e por maus-tratos contra animais, já que muitos cachorros viviam em condições precárias no lugar.

Por @jonathancavalcantejor do Mais Goiás, em Anápolis | Imagens: divulgação