OPERAÇÃO VENDILHÕES

Citado em operação contra padre Robson, vice-prefeito de Trindade alega inocência

Segundo Gleysson Cabriny, todos que fizeram negócio com as Afipes foram mencionados


Francisco Costa
Do Mais Goiás | Em: 24/08/2020 às 15:05:43

(Foto: Divulgação)
(Foto: Divulgação)

O vice-prefeito de Trindade, Gleysson Cabriny, em nota, afirma que não foi alvo de busca e apreensão e que ninguém foi à sua residência. Ele enviou um texto ao Mais Goiás para se pronunciar após ter o nome mencionado em decisão judicial envolvendo a investigação de Padre Robson e a Associação Filhos do Pai Eterno (Afipe).

O religioso e a Afipe são investigados pela Operação Vendilhões, deflagrada na sexta-feira (21), por suposta apropriação indébita, lavagem de dinheiro, falsificação de documentos e sonegação fiscal. Robson presidia a associação, mas pediu afastamento de suas funções tanto na associação, quanto no Santuário Basílica do Divino Pai Eterno, onde era reitor. No domingo (23), a Arquidiocese de Goiânia revogou temporariamente o uso de ordens do padre, impedindo a realização de missas e outras atividades.

O relatório da juíza Placidina Pires, da Vara dos Feitos Relativos a Organizações Criminosas e Lavagem de Capitais, diz que Gleysson teria efeituado “inúmeras” operações com as associações. Ele estaria nos quadros societários de pessoas jurídicas diversas do ramo de comunicações (Sistema Alpha de Comunicação Ltda. e Rede Demais Comunicação Ltda.), que receberam “vultuosas quantias em dinheiro das Afipes, tendo ainda realizado diversas transações imobiliárias”.

Gleyson justificou que todos que fizeram negócio com as Afipes foram mencionados. Além disso, segundo ele, seu nome aparece uma única vez na “extensa decisão” da juíza Placidina Pires. “Gleysson não foi sequer intimado para prestar esclarecimentos, mas está à disposição das autoridades”, destaca outro trecho do texto. “Desde já se prontifica a disponibilizar toda sua movimentação financeira”, conclui a nota do vice-prefeito.

Confira na íntegra, AQUI.