OPERAÇÃO

Cinco são presos suspeitos de invadir sistema do Ibama e fraudar certificados

Foram cumpridos 48 mandados de busca e apreensão em propriedades de beneficiados pelas fraudes em Goiás e mais sete Estados


Da Redação
Do Mais Goiás | Em: 15/09/2020 às 09:58:55

(Foto: Reprodução/Google Street View)
(Foto: Reprodução/Google Street View)

Na manhã desta terça-feira (15), a Polícia Federal (PF) cumpriu cinco mandados de prisão e 48 de busca e apreensão em propriedades de suspeitos de invadir sistema do Ibama e fraudar certificados. Além de Goiás, os alvos residem nos Estados de Minas Gerais, Pará, Mato Grosso, Paraná, Rio Grande do Sul, São Paulo e Tocantins.

As fraudes tiveram como beneficiários proprietários rurais e empresários do ramo de exploração florestal e agropecuária.

Segundo a investigação, os suspeitos alteravam informações no sistema do Instituo por meio de certificados digitais (tokens) de funcionários. O objetivo seria beneficiar donos de terras e empresários que possuíam áreas embargadas em locais considerados “sensíveis” da Amazônia Legal.

A PF esclarece que foram constatados 122 desembargos irregulares em nome 54 pessoas físicas e empresas. A fraude nos certificados causou um prejuízo de cerca de R$ 150 milhões para a União, em multas não pagas e descumprimento de embargos em áreas ambientais.

De acordo com as investigações, os crimes foram cometidos com possível auxílio de servidores públicos.

Segundo os policiais federais, os criminosos se passavam pelos servidores e acessavam o banco de dados do Ibama, conseguindo realizar o desembargo das propriedades que foram multadas pela fiscalização. Os suspeitos ainda teriam emitido certidões negativas, que são requisitos para obtenção de licenças federais e estaduais.

Os envolvidos vão responder por crimes contra o meio ambiente, estelionato, uso de documento falso, alteração de sistemas de dados, descumprimento de ordens de embargos, prevaricação e corrupção. As penas podem chegar a 12 anos, além de multa.

O Mais Goiás aguarda posicionamento do Ibama.

Tópicos