FolhaPress

Chuva de granizo deixa marcas nas costas de ciclistas

A chuva de granizo começou a cair forte quando eles estavam no local íngreme, escalando uma montanha e pedalando devagar

Uma chuva de granizo deixou diversas marcas nas costas de ciclistas em uma competição na França. (Foto: reprodução)

O recomendável quando começa a cair pedra de gelo do céu é procurar um abrigo. Mas se você está participando de uma competição que não pode ser paralisada, não há muito o que se fazer. Diversos ciclistas que estão disputando a prova Critérium du Dauphiné, na França, sentiram isso na pele hoje. Literalmente.

A chuva de granizo começou a cair forte quando eles estavam no local íngreme, escalando uma montanha. Logo, pedalando devagar. Já não bastava a dor de ficar para trás do pelotão, eles também passaram a sentir nas costas a dor das pedras caindo sobre a cabeça deles.

O belga Tim Declerq, da equipe Deceuninck/Quick Step, foi um dos que terminou a prova com as costas marcas pelo impacto das pedras de gelo, como ele mostrou no Instagram. “Como se a Dauphiné não fosse dolorosa o suficiente para as pernas”, ele escreveu. O francês Maxime Chevalier, da B&B Hotels/Vital Concept, também ficou com o corpo manchado.

A Dauphiné é uma das primeiras provas da retomada do ciclismo profissional na Europa. Paralisado desde março, o calendário voltou com o Tour da Polônia, na semana passada, e com a tradicional Milão/San Remo, no domingo (8). Na Dauphiné estão alguns dos maiores nomes da atualidade, como os colombianos Nairo Quintana e Egan Bernal e o espanhol Alejandro Valverde. A prova serve de preparação para o Tour de France, que começa dia 29.