Cidades

Cerca de 400 mil pessoas devem passar por cemitérios de Goiânia no Dia de Finados

Ação visa oferecer segurança e conforto aos visitantes. A estimativa é que os cemitérios recebam cerca de 400 mil visitantes


Karla Araujo

Do Mais Goiás | Em: 25/10/2017 às 14:35:32


Menores não podem trabalhar em limpeza das lápides e túmulos e comércio de flores e velas (Foto: Luciano Magalhães)
Menores não podem trabalhar em limpeza das lápides e túmulos e comércio de flores e velas (Foto: Luciano Magalhães)

A Prefeitura de Goiânia, por meio da Companhia de Urbanização de Goiânia (Comurg), iniciou os trabalhos de preparação dos quatro cemitérios municipais da Capital para o Dia de Finados. Cerca de 150 servidores estão envolvidos na ação que envolve roçagem do mato, capina da grama, varrição, rastelação, remoção de lixo e entulho e pintura dos meios-fios nas áreas internas, externas e ruas adjacentes aos cemitérios. A estimativa é que cerca de 400 mil pessoas passem pelos locais no próximo dia 2 de novembro.

O primeiro a receber os serviços foi o Cemitério Parque. Localizado na Avenida São Domingo, no setor Urias Magalhães, a unidade possui 4,5 alqueires e é o maior cemitério da Capital. Esta semana a Comurg fará também os trabalhos nos Cemitérios Nossa Senhora Sant‘Ana e Jardim da Saudade. O primeiro possui 290 mil metros quadrados e é o mais antigo de Goiânia. Já o segundo possui 33 mil metros quadrados e foi inaugurado em 2008. Por fim, as equipes da Companhia seguem para o Cemitério Vale da Paz, localizado às margens da GO-020, saída para Bela Vista.

O presidente da Comurg, Denes Pereira, salienta que a previsão é concluir todo serviço até o próximo dia 27. “A Comurg faz limpeza e manutenção constantemente nos cemitérios e, por isso, será possível concluir todos os serviços dentro do prazo”, afirmou, acrescentando que a ação atende solicitação da Secretaria Municipal de Assistência Social (Semas), responsável pela manutenção e gestão dos cemitérios municipais, e tem como foco as áreas comuns das unidades. Denes Pereira lembra que a conservação dos túmulos e jazigos é de responsabilidade das famílias.