Casos de coronavírus aumentam 39% em uma semana no Estado

Em Aparecida de Goiânia o aumento foi de 95,77%. Capital concentra mais da metade dos casos e isolamento social de Goiás é o pior do Brasil

Em uma semana foram registrados 403 novos casos de coronavírus no Estado de Goiás. O número total saiu de 1.027, no dia 7 de maio, para 1.423, registrados nesta quinta (14). Os dados são da Secretaria de Estado da Saúde (SES) e mostram que houve um aumento de 39,24% no período.

Os números mostram também que a doença está se espalhando com mais velocidade em Goiás. Entre os dias 30 de abril e 7 de maio, o aumento foi de 31,4%, conforme noticiado pelo Mais Goiás.

O número de óbitos continua subindo mais do que o número de casos, proporcionalmente. Foram 20 mortes na última semana e o total contabilizado na quinta-feira (14) foi de 64, o que representa um aumento de 45,45% no período. Isso também elevou a taxa de letalidade da doença, que saiu de 4,28% para 4,49%.

O aumento de casos no Estado está abaixo do percentual nacional. No Brasil foram registrados 202.918 casos nesta quinta, de acordo com dados do Ministério da Saúde (MS), um aumento de 50,19% com relação à semana passada.

Com relação aos óbitos, o crescimento de Goiás também está abaixo da média do Brasil. Em todo o país foram confirmadas 13.993 mortes, contra 9.146 do dia 30 de abril. O aumento foi de 52,99% no período.

Coronavírus nos maiores municípios

Em Goiânia, o número de casos saltou de 547 para 751. Com 204 casos novos, o aumento foi de 42,85%, acima da média do estado. Goiânia se mantém como o epicentro da pandemia no estado, concentrando 52,77% das confirmações de Goiás. O número de óbitos aumentou de 22 para 30, o que representa um aumento de 36,36% no período.

Em Aparecida de Goiânia o número de casos quase dobrou, saindo de 71 para 139. Foram 68 casos novos, um aumento de 95,77%. No último levantamento na cidade o percentual foi de 31,48%. O número de óbitos aumentou de três para seis.

Já o município de Anápolis registrou o menor aumento entre os listados. Foram confirmados dois novos casos na semana, chegando a 53. O aumento foi de 3,92%. Além disso uma pessoa morreu no período e agora o número de óbitos é de dois.

Coronavírus no Entorno do DF

A disseminação da Covid-19 tem acelerado também no entorno de Brasília. Em uma semana, foram registrados 64 novos casos nos 19 municípios da região e o total agora é de 163. Os números mostram que houve um aumento de 64,64%, um crescimento acima do registrado no último balanço (59,67%). O número de óbitos subiu de sete para nove.

A cidade que mais teve confirmações de infecções pelo coronavírus foi Valparaíso de Goiás. Lá o número de casos saiu de 25 para 48. Foram 23 casos em uma semana, um aumento de 92%.

Goiás e o Isolamento social

Com relação à semana passada, Goiás desceu uma posição e hoje é o estado que tem o pior índice de isolamento social do país, de acordo com dados do grupo In Loco. Nesta quarta (14), o percentual era de 36,9%, uma redução de 0,4% com relação ao dia 6 de maio.

O Mais Goiás entrou em contato com a SES para comentar os dados, questionando se o aumento está dentro do esperado pelas autoridades de saúde e se existe uma meta de aumento controlado da doença no Estado. Entretanto, até o fechamento da matéria, não houve retorno.

Recuo no endurecimento das medidas

O levantamento foi feito no mesmo dia em que o governador Ronaldo Caiado (DEM), recuou da publicação de novo decreto relativo a medidas de isolamento social. Ele destacou, nesta quinta-feira (14), que não irá apresentar novas ações sem ter o apoio necessário da sociedade a fim de que haja resultado prático.

“Não vou decretar nada que não esteja em sintonia com a sociedade e com as lideranças de nosso Estado. Se não tivermos remando no mesmo sentido, não teremos sucesso no enfrentamento ao coronavírus. Essa decisão é solidária, precisa ser da comunidade, das lideranças, de todos, porque sabemos que, sem conscientização, ela não será cumprida”, diz Caiado.

“As consequências virão, sejam desemprego ou mortes, mas a responsabilidade também terá que ser assumida por todos. Não vou aceitar a tese de Pôncio Pilatos. Como governador, vou vocalizar o que a maioria estiver disposta a colocar em prática, mas vou continuar lutando pela vida”, concluiu.