Aluna nova

Capivara entra em sala de universidade do MS e foto viraliza na web

Na instituição existem cerca de 80 capiravas, de espécies diferentes; elas são monitoradas pelo Instituto de Ecologia


Da Redação
Do Mais Goiás | Em: 18/11/2019 às 17:33:14

A estudante de turismo, Gabriella Emy Oguro, de 22 anos, foi quem entrou na sala primeiro e viu a capivara (Foto: Gabriella Oguro/Arquivo Pessoal)
A estudante de turismo, Gabriella Emy Oguro, de 22 anos, foi quem entrou na sala primeiro e viu a capivara (Foto: Gabriella Oguro/Arquivo Pessoal)

Uma capivara apareceu em uma sala de aula da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), na última terça-feira (12). A imagem do animal viralizou nos grupos de alunos da faculdade, depois nas redes sociais e na web, de forma geral.

A estudante de turismo Gabriella Emy Oguro, de 22 anos, foi quem entrou na sala primeiro e viu o animalzinho. ” Vi que a porta estava entreaberta e entrei na sala. Vi que tinha a capivara e não me assustei em nenhum momento. Ela estava umas duas carteiras ao lado de onde eu sento. Achei uma situação engraçada e tirei a foto para mandar ao grupo da sala, dizendo: ‘aluno novo galera’. O pessoal ficou rindo e alguns até se arrependeram de não chegar mais cedo”, contou em entrevista. Ainda de acordo com a jovem, a área onde estuda fica próxima ao Lago do Amor, área verde da UFMS. O lago tem a frequente presença de animais como capivaras e jacarés.

Capivara entra em sala de universidade e foto viraliza na web, em MS

A imagem também foi parar no grupo da sala de Gabriella Emy Oguro (Foto: Montagem/G1MS)

Luiz Gustavo de Oliveira Santos, professor de Ecologia e pesquisador do Instituto de Biociências da UFMS, contou que existem dois grupos familiares de capivaras no local. Contudo, a presença delas em salas de aula não é algo frequente. “São cerca de 80 animais no qual fazemos exames veterinários, colocamos brinco vermelho na orelha, como é o caso desta capivara que foi flagrada pela estudante. A gente marca, conta, coloca GPS e por isso sabemos tantos detalhes, assim como é feito em outros parques da cidade, como o das Nações, o Sóter e o Anhanduí”, afirmou.

*Com informações do site G1 Mato Grosso do Sul