Eleições 2016

Candidatos trocam acusações em último debate antes das eleições

Tônica das discussões de Iris Rezende (PMDB) e Vanderlan Cardoso (PSB) acabou se resumindo na troca de farpas




O último debate realizado antes do segundo turno das eleições foi marcado por troca de acusações entre os candidatos à Prefeitura de Goiânia. O confronto foi ao ar na noite desta sexta-feira (28) pela TV Anhanguera.

A tônica das discussões ao longo de debate acabou se resumindo na troca de farpas: Vanderlan Cardoso (PSB) disse que Iris Rezende (PMDB) faltava com a verdade. Já o peemdebista afirma que ex-prefeito de Senador Canedo desconhece a cidade de Goiânia.

No primeiro bloco do debate, os prefeitáveis discutiram sobre a geração de emprego e renda em Goiânia. Enquanto Vanderlan defendeu seu projeto de desenvolvimento com base na construção das oito regionais na capital, Iris disse que seu projeto de governo não contempla a implantação de indústrias poluentes. “Goiânia não tem vocação para ser cidade das chaminés”, defendeu o peemdebista.

Vanderlan questionou Iris sobre uma afirmação dele dita em entrevista de que iria faltar água na capital nos próximos três anos. Segundo o pessebista, através da represa do Ribeirão João Leite, há água para abastecer Goiânia nos próximos 30 anos e acusou o peemdebista de faltar com a verdade.

Iris, em sua tréplica, disse que Vanderlan desconhecia a cidade e aproveitou para alfinetar o adversário. “A fonte de água do João Leite é pequena, de forma que isso demonstra uma falta de conhecimento total com a realidade de Goiânia. É por isso que eu tenho falado: administrar uma cidade pequena é uma coisa. Administrar uma capital com 1 milhão e 500 mil habitantes é diferente”.

Transporte coletivo

Com temas sorteados pelo mediador Julio Mosquéra no segundo bloco do debate, Iris questionou Vanderlan sobre as propostas que ele teria para o transporte público. O pessebista disse sua primeira providência será despachar de dentro da RMTC (Rede Metropolitana de Transportes Coletivos) para cobrar mais de perto o cumprimento dos serviços. “Vamos investir maciçamente na questão dos corredores, já que têm muitos corredores que estão muito polêmicos, tem corredor aí sendo feito pelo lado direito, sendo que o ideal é que seja pela esquerda. Temos que discutir melhor com a população”, acrescentou afirmando que ainda vai concluir as obras como a Avenida Leste Oeste e o BRT.

Iris falou de suas realizações enquanto prefeito e disse que pretende criar linhas ligando bairro a bairro, sem passar pelo centro, e linhas alternativas. “Vamos consertar o transporte urbano de Goiânia em pouco tempo”, frisou.

Dessa vez, foi Vanderlan que aproveitou a oportunidade para alfinetar o adversário ao lembrar de sua proposta feita em sua última campanha para prefeito de Goiânia onde prometeu resolver o transporte público da capital em seis meses. “Ainda bem que o senhor não falou que vai consertar em seis meses, porque o usuário sabe que isso não é verdade”. Ele ainda comentou sobre uma entrevista que o peemedebista concedeu recentemente onde ele afirmou que as empresas de transporte coletivo são vítimas. “E quem é o culpado? é o usuário?”, questionou o pessebista.

Saneago

Ainda no segundo bloco, Vanderlan questionou Iris sobre sua proposta de municipalizar os serviços da Saneago na capital. Segundo o pessebista, a transferência da administração para a Prefeitura de Goiânia geraria uma indenização de cerca de R$ 5 bilhões a estatal e ele perguntou ao peemebebista se o Executivo Municipal teria dinheiro para arcar com esse prejuízo.

Iris novamente respondeu que faltava conhecimento ao adversário. Segundo o peemedebista, ao fim do contrato de concessão da Saneago todo o patrimônio da estatal reverteria para a Prefeitura. “No momento que a Saneago voltar para a Prefeitura, vem todo esse equipamento, tudo o que está feito em infraestrutura”, afirmou.

Vanderlan, em sua réplica, disse que o peemedebista está correto ao afirmar que o patrimônio retorna a prefeitura após o fim do contrato de 30 anos, mas desde que se pague e indenize o que foi investido pela estatal. 

Na tréplica, Iris afirmou que a concessão da Saneago já está vencida. “E no termo da concessão e de leis federais que regulam hoje, o município não terá que indenizar nada”, ressaltou o peemedebista.

Gafe

Apesar de estar visivelmente mais preparado que nos debates anteriores, Iris Rezende acabou escorregando ao responder a pergunta feita por Vanderlan Cardoso sobre a área da saúde. Ao falar de suas realizações na área, o peemedebista citou valores em cruzeiro, moeda extinta em 1993. “Deixamos crédito da Prefeitura junto ao Estado, por uma comunicação do Tribunal de Contas dos Municípios, que o Estado era, aquela altura, devedor de 73 milhões e 765 mil cruzeiros, que deixamos aí a disposição do nosso sucessor”.

Vanderlan, que pareceu não ter notado a gafe do adversário, retrucou afirmando que a Saúde do município está sendo administrada pelo PMDB há 12 anos e que Iris quer jogar a culpa na atual administração, e voltou a comentar sobre os recursos da área. “O atual prefeito, o senhor Paulo Garcia, disse esses dias em entrevista, em prestação de contas na Câmara que herdou uma dívida na área Saúde, na administração dele, de mais de R$ 200 milhões”.