Do Mais Goiás

Câmara de Goiânia aprova regulamentação de shows em drive-in

Texto prevê shows musicais, concerto, apresentação teatral, atividade circense, exibição cinematográfica e mais

Câmara de Goiânia vota regulamentação de shows em drive-in
Câmara de Goiânia vota regulamentação de shows em drive-in (Foto: Reprodução)

O plenário da Câmara de Goiânia aprovou em primeira votação, nesta quarta (5), o projeto regulamenta apresentação de espetáculos por drive-in durante estado de calamidade pública, como a pandemia do novo coronavírus. Do vereador Emilson Pereira (Patriota), o texto prevê shows musicais, concerto, apresentação teatral, atividade circense, exibição cinematográfica e outras atividades artísticas com a possibilidade dos espectadores participarem de dentro do carro, mesmo que seja em local fechado.

Segundo o texto, tetos solares e veículos com capotas removíveis abertas, além de conversíveis, são proibidos. “O cliente fica obrigado a utilizar máscara durante toda a interação com funcionários, nos locais de uso comum do evento, bem como nos banheiros e lanchonetes”, prevê.

Além disso, o projeto prevê que seja prioridade venda de ingressos e produtos de forma remota, medição de temperatura dos participantes na entrada do evento, presença de no máximo quatro pessoas por veículo e utilização de protocolo de higienização como álcool gel e uso de máscaras.

Para o vereador, mesmo retomando, aos poucos, as atividades presenciais, o setor cultural será um dos últimos a voltar à “normalidade”. “Diante desse cenário, as atividades drive-in têm se tornado uma tendência em todo o planeta”, avalia.

O texto ainda precisa passar em segunda votação. Caso aprovado, segue para sanção do prefeito Rogério Cruz (Republicanos).

Calamidade pública até dezembro

Na terça (4), o prefeito Rogério prorrogou a situação de calamidade pública em Goiânia até 31 de dezembro de 2021, por meio de decreto no Diário Oficial.

Vale lembrar, a capital declarou calamidade pública em decorrência da Covid-19 em março do ano passado, ainda na gestão Iris Rezende (MDB). Em dezembro de 2020, o gestor prorrogou a situação até junho.