Política

Câmara de Aparecida de Goiânia pode ter recesso reduzido

Proposta é que o período seja reduzido de 77 dias para 53. O projeto de lei é do vereador Manoel Nascimento (DEM)


Karla Araujo

Do Mais Goiás | Em: 08/02/2017 às 14:28:13


Hoje, os períodos legislativos em Aparecida vão de 1º de fevereiro a 30 de junho, e de 1º de agosto a 15 de dezembro (Foto: Câmara de Aparecida de Goiânia)
Hoje, os períodos legislativos em Aparecida vão de 1º de fevereiro a 30 de junho, e de 1º de agosto a 15 de dezembro (Foto: Câmara de Aparecida de Goiânia)

Assim como ocorreu em Goiânia, a Câmara de Aparecida de Goiânia poderá ter seu recesso legislativo reduzido. A proposta é do vereador Manoel Nascimento (DEM). De acordo com ele, a mudança acarretaria no aumento de nove sessões ordinárias ao ano.

Hoje, os períodos legislativos em Aparecida vão de 1º de fevereiro a 30 de junho, e de 1º de agosto a 15 de dezembro. Com a proposta do vereador Nascimento, as sessões legislativas aconteceriam de 1º de fevereiro a 15 de julho, e de 1º de agosto a 23 de dezembro. Assim, o período-dias de recesso parlamentar reduziria de 77 dias para 53.
“Recentemente, em nossa capital, reduziram o recesso de 90 para 45 dias. A meu ver, seguir essa tendência aqui em Aparecida vai ao encontro dos anseios da população”, justificou Nascimento.

O projeto recebeu apoio da maioria dos vereadores, como Isaac Martins (PR), que parabenizou a proposta de redução. “Cumprimento o vereador por sua coragem e ousadia e sei que essa redução não será de maneira alguma penosa aos vereadores. Na verdade, só trará benefícios à sociedade”, afirmou Isaac.

Na oportunidade, o vereador Moura (PT) sugeriu que também sejam acrescentadas mais sessões ordinárias no mês. “Vou propor uma emenda ao projeto aumentando de 9 para 12 sessões por mês”, indicou o parlamentar.

Seguindo a mesma linha, o vereador Edilson Ferreira (PMDB) destacou a necessidade da Câmara de Aparecida ser um exemplo aos outros poderes legislativos. “Essa casa de leis precisa dar o exemplo e se colocar no lugar do trabalhador normal. Por isso, na minha visão, poderíamos reduzir ainda mais o recesso legislativo. Não podemos ser tratados de maneira especial”, afirmou o vereador, que também sugeriu cortar dias de férias de vereadores faltosos.

Entretanto o presidente da Câmara, Vilmarzin (PMDB), afirmou que independentemente do tamanho do recesso, o vereador trabalha diuturnamente, agindo diretamente em contato com a população, em seus bairros. “Os trabalhos não se restringem apenas às sessões. A prova disso é que, já na primeira sessão do ano, a mesa diretora recebeu 230 requerimentos enviados pelos vereadores, buscando soluções para os problemas da cidade”, completou o presidente.