Caldas Novas suspende fornecimento de água por 10h para enfrentar crise

Na última terça-feira (14), a Prefeitura decretou calamidade hídrica por 90 dias. Medidas mais duras podem ser tomadas

Estação de captação de água de Caldas Novas
A Prefeitura de Caldas Novas adotou a suspensão do fornecimento de água por 10h para enfrentar a crise hídrica no município. (Foto: divulgação)

A Prefeitura de Caldas Novas suspendeu o fornecimento de água por 10h para enfrentar a crise hídrica no município. Em dias pares, esta pausa afeta diretamente cerca de 70 bairros. Em dias ímpares, outra parte do município fica sem o fornecimento pelo mesmo período. A gestão decretou estado de calamidade hídrica por 90 dias na última terça-feira (14). Medidas mais duras podem ser tomadas caso o consumo da população permaneça alto.

Em nota, o Departamento Municipal de Água e Esgoto de Caldas Novas (Demae) ressaltou que a cidade, assim como o restante do país, passa por crise hídrica, em razão da falta de chuvas que já dura mais de 5 meses. A estiagem tem afetado diretamente a disponibilidade de vazão das fontes de produção de águas do município.

O órgão diz que executou campanhas de conscientização e melhorias no controle de perdas de água. Ainda assim, o consumo da população aumentou e chegou a atingir 30% a mais do que a produção.

Caldas Novas suspende fornecimento de água – veja como funciona a pausa

Para enfrentar a crise, o município precisou implementar uma pausa programada de abastecimento. “Esta pausa afeta diretamente 70 bairros da nossa cidade e consiste na suspensão do fornecimento das 10h às 22h, em parte da cidade, em dias pares e outra parte em dias ímpares.

Mesmo com a mencionada ação, o consumo ainda continua alto. Em consequência disso, o Demae informa que poderá haver aumento do tempo ou da frequência dessas pausas programadas, podendo atingir bairros fora da sua escala de programação original.

O procedimento seguirá por todo período da seca ou enquanto persistir a necessidade.

“Se este quadro não se reverter, o departamento será obrigado a estabelecer medidas mais severas no tocante do fornecimento de água, pois somente desta forma conseguiremos manter os níveis operacionais dos nossos reservatórios”, lê-se no texto.

Outros municípios goianos também fazem rodízio

Ao menos cinco municípios de Goiás aderiram ao rodízio de abastecimento de água em decorrência do período de estiagem.

Segundo a Saneago, em Goianésia, São Luís de Montes Belos e São Luiz do Norte o sistema de rodízio está em vigor desde o início da semana.

Em Crixás, o sistema deve ser implementado a partir de amanhã (16). Já Senador Canedo não aderiu ao sistema, mas enfrenta dificuldades no abastecimento com falta d’água em pontos específicos.