transporte

Caiado não autoriza retirada do Eixo Anhanguera de Senador Canedo, Goianira e Trindade

Governo afirmou que "não haverá cortes de linhas atendidas pela Metrobus nestas localidades". Empresa não se manifestou sobre o assunto


Fabricio Moretti

Do Mais Goiás | Em: 25/06/2019 às 18:37:13


Eixo Anhanguera (Foto: Reprodução)
Eixo Anhanguera (Foto: Reprodução)

A Metrobus informou que deixaria de atender as cidades de Senador Canedo, Goianira e Trindade, e as concessionárias transferiram para o Estado a responsabilidade sobre extensões do Eixo Anhanguera. Depois disso, o governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM), divulgou nesta terça-feira (25) uma nota de esclarecimento sobre o assunto.

Confira na íntegra a nota emitida pela Secretaria de Comunicação do Estado de Goiás:

“A Secretaria de Comunicação do Governo de Goiás informa que, em momento algum, o governador autorizou a retirada das linhas da Metrobus das extensões do Eixo Anhanguera. Houve uma precipitação por parte da empresa no envio da solicitação. Não há, com isso, motivos de preocupação para a população das regiões de Goianira, Trindade e Senador Canedo em relação ao assunto, uma vez que não haverá cortes de linhas atendidas pela Metrobus nestas localidades”.

Sobre o assunto, a RedeMob Consórcio esclareceu que “entende que a discussão sobre o fim das extensões do Eixo Anhanguera para Trindade, Goianira e Senador Canedo trata-se de uma questão política”. A empresa completou dizendo que “a discussão é de competência do poder público e a decisão que for tomada pelo Estado de Goiás e os municípios da região metropolitana será acatada”.

Para o presidente da Câmara Deliberativa de Transportes Coletivos (CDTC), Jânio Darrot, a alteração é uma “tese absurda”. “Não creio que o governador Ronaldo Caiado (DEM) concorde com o presidente da Metrobus. O fim desse benefício afetará diretamente milhares de trabalhadores que dependem do sistema”, disse.

Mais Goiás entrou em contato com a assessoria da Metrobus, concessionária estatal que tem a concessão do Eixo, mas até o fechamento da matéria não recebeu nenhum posicionamento sobre o caso.