Crise

Caiado abre as contas do governo e diz que sua prioridade é “salvar vidas”

Ao lado da equipe técnica, governador ressaltou impossibilidade de quitar o pagamento de dezembro neste mês e pediu compreensão ao povo goiano


Thais Lobo
Do Mais Goiás | Em: 19/01/2019 às 17:03:45

Governador e equipe técnica ressaltaram défitic nas contas do Estado | Foto: Hegon Correia/Divulgação/Governo de Goiás
Governador e equipe técnica ressaltaram défitic nas contas do Estado | Foto: Hegon Correia/Divulgação/Governo de Goiás

Duzentos e dezenove milhões de reais. Esse é o valor que está disponível na conta do Governo de Goiás, segundo extrato da Caixa Econômica Federal apresentado na manhã deste sábado (19) pelo governador Ronaldo Caiado (DEM) e equipe de técnicos da Secretaria de Gestão e Planejamento (Segplan) e da Fazenda (Sefaz). Apesar de ressaltar a importância do pagamento dos servidores e das despesas da administração pública, o democrata disse que hoje a sua prioridade é “salvar vidas”, citando a crise nos hospitais goianos.

“Vamos priorizar a situação da parte da Saúde, Segurança Pública e Educação, não podemos levar todos esses setores ao colapso”, argumentou Caiado ressaltando o repasse de R$ 50 milhões às Organizações Sociais que administram os hospitais do Estado na semana passada.

O governador também justificou que recebeu o governo com apenas R$ 11 milhões em caixa e que o valor atual de R$ 219 milhões na conta veio de arrecadações e de fundos do governo federal. Disse ainda que apenas o déficit da folha de pagamento de dezembro de 2018 dos servidores representa mais de R$ 1 bilhão (exatos R$ 1.303.343). Somada as despesas do ano passado que também não foram pagas, o valor sobe para R$ 3.433.629.

Levantamento realizado por técnicos da Segplan revelam um déficit de mais de R$ 3 bilhões em 2018 | do Fonte: SEGPLAN

Além da falta de dinheiro em caixa, a equipe técnica argumentou que seria impossível, neste momento, quitar a folha dos servidores do mês de dezembro, pois o pagamento só poderia ser aprovado através da Lei Orçamentária Anual (LOA) de 2019, que ainda não foi votada. “Existe um dispositivo legal que determina que só podem ser realizadas despesas desde que haja o prévio empenho. O empenho pressupõe a existência uma lei orçamentária que autoriza as despesas”, explicou o técnico da Sefaz, Sérvulo Nogueira.

Apesar das dificuldades, o governador e equipe técnica garantiram que vão começar os pagamentos do mês de janeiro na próxima segunda-feira (21). A previsão é de que 83% dos servidores sejam pagos até sexta-feira (25) e o restante deles devem receber até o dia 30. O dinheiro para a folha de janeiro, diz Caiado, vem do fluxo de arrecadação tributária estadual, que é diário, e de outros recursos federais, como o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb), que deve ser depositado na próxima semana.

Buraco

Além do déficit do ano passado, o governo atual terá que lidar com uma previsão de gastos maior do que a arrecadação em 2019, já a folha de pagamento e inúmeras despesas subiram no período. O buraco total no orçamento neste ano é de R$ 6.190.201.

Em 2019, o déficit projetado é de mais de R$ 6 bilhões | Fonte: SEGPLAN

Para recuperar a situação fiscal do Estado, Caiado disse que, além do corte de gastos e auditoria nos contratos públicos, ele pretende buscar outras fontes de recursos. Por fim, ele também pediu compreensão e solidariedade aos goianos, e ainda tentou passar uma mensagem de otimismo. “Goiás é muito maior que a crise, nós vamos dar a volta por cima”, finalizou.

Confira os extratos bancários da conta do Governo de Goiás:

No último dia do ano, havia mais de R$ 13 milhões na conta, mas R$ 2 milhões já estavam comprometidos. Dessa forma, Caiado justificou que recebeu o governo, no dia 1º de janeiro, com R$ 11 milhões no caixa | Fonte: Reprodução/Governo de Goiás/CEF

Saldo na conta do governo de Goiás no dia 15 de janeiro era de mais de R$ 219 milhões | Fonte: Reprodução/Governo de Goiás/CEF