Entrega de ônibus

Bolsonaro visita Goiás pela sexta vez e grupo prepara protesto

Mobilização dos Professores de Goiás vai se manifestar contra as reformas da Previdência Estadual e Federal e “ataques à educação”


Francisco Costa
Do Mais Goiás | Em: 07/11/2019 às 14:49:32

Presidente Jair Bolsonaro (Foto: Marcos Corrêa/PR)
Presidente Jair Bolsonaro (Foto: Marcos Corrêa/PR)

Pela sexta vez em Goiás, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) chega a Goiânia na sexta-feira (8) para uma cerimônia de entrega de 214 ônibus escolares. O evento ocorre no estacionamento sul do Estádio Serra Dourada. Um novo protesto está previsto para acontecer no meso dia, na porta do Ministério Público Estadual (MPE), a partir das 13h e a solenidade está marcada para ter início às 15h. Desta vez, organizado pela Mobilização dos Professores de Goiás (MPG). Estão em pauta as reformas da Previdência Estadual e Federal, além dos “ataques à educação”.

Para aproveitar a passagem por Goiânia, o presidente participa da inauguração do novo escritório político de Major Vitor Hugo (PSL), líder do governo na Câmara Federal. Localizado na Avenida T-8, 756, Setor Bueno, em Goiânia, o local deve receber a presença do gestor a partir das 16h.

Segundo o deputado federal, ter um local adequado para recepcionar as pessoas é fundamental. “Nossas ações na Câmara Federal são pautadas pelos assuntos discutidos com prefeitos, vereadores e representantes da sociedade. E quero que todos sejam bem recebidos”, resume.

 

Protesto da MPG

Thiago Martins, diretor do MPG, disse ao Mais Goiás que a nova manifestação tem como focos a educação e, em especial, a Reforma da Previdência proposta pelo governador Ronaldo Caiado (DEM). Eles ainda exigem que a Lei do Piso seja cumprida. “Entendemos que essa reforma não foi debatida com os professores e qualquer forma de aumento de desconto sobre o salário dos professores é imoral”, pontuou.

Ele citou como pontos preocupantes o aumento na contribuição, na idade mínima para aposentadoria e do tempo de contribuição. “Fim dos quinquênios”, reclamou. “Ao aprovar essa reforma, o governador prova ser demagogo.”

A escolha do Ministério Público, segundo o diretor, é para lembrar que o Brasil é uma democracia. E para pedir apoio ao órgão por liberdade de manifestação. De lá, os manifestantes seguem para o Serra Dourada.Ao todo, serão 214 veículos entregues pelo Governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado de Educação (Seduc). Os ônibus serão repassados para 133 cidades.

UNE

Na última terça-feira (5), aconteceu uma manifestação contra o governo Bolsonaro na Praça Bandeirante, em Goiânia. Segundo a União Nacional dos Estudantes (UNE), que organizou o evento ao lado de grupos sindicais, cerca de 250 pessoas se reuniram no local.

Os manifestantes protestaram contra o sucateamento da educação e pela investigação de possível envolvimento do presidente na morte da vereadora carioca Marielle Franco. A menção do deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) ao Ato Institucional número 5 (AI-5) motivou palavras de ordem, também.

A manifestação desta sexta-feira não é organizada pela UNE. Apesar disso, o presidente nacional da União, Iago Montalvão, que é goiano, conversou com o Mais Goiás. Ele explica que a manifestação anterior foi convocada muito rapidamente, mas mesmo assim foi muito importante.

“As pessoas estão insatisfeitas com o governo e desesperadas com o futuro. É um governo de instabilidade.” Segundo ele, o Brasil vai passar por um processo de mobilização permanente. “Algumas [manifestações] maiores, outras menores, durante todo o governo. Sempre com o povo expressando sua indignação”, afirmou.

Para ele, Bolsonaro é um político que faz discursos para criar polêmicas e que só governa dentro da própria bolha. “Com isso, o grupo se isola cada vez mais. Se não fosse o setor Econômico do governo, que conversa com bancos e com o grande capital, já estaria isolado. É um governo onde não há espaço para a pluralidade de ideias. Pra a democracia.”