Política

Bolsonaro recua de fusão de Meio Ambiente e Agricultura e diz não querer xiita ambiental

Aceno para um recuo já havia sido feito no final da tarde desta quarta (31) por Luiz Antônio Nabhan Garcia, presidente da UDR (União Democrática Ruralista). Segundo ele, a questão só será definida "ao longo de muita conversa"


FolhaPress
FolhaPress

Do FolhaPress | Em: 01/11/2018 às 17:58:27


Presidente diz que proteção ao meio ambiente irá acontecer, mas que tal ação não dificultará o progresso (Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)
Presidente diz que proteção ao meio ambiente irá acontecer, mas que tal ação não dificultará o progresso (Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) declarou que “pelo que tudo indica”, os ministérios do Meio Ambiente e Agricultura permanecerão separados, e que a pasta ambiental será comandada por alguém que não seja “xiita” na defesa do ambiente.

Bolsonaro afirma que a ideia da fusão foi discutida e que possivelmente será modificada. “Serão dois ministérios distintos, mas com uma pessoa voltada para a defesa do meio ambiente sem o caráter xiita, como feito nos últimos governos”, diz.

A declaração foi dada nesta quinta (1º) em entrevista a televisões católicas. “O Brasil é o país que mais protege o meio ambiente”, diz o presidente. “Nós pretendemos proteger proteger o meio ambiente, sim, mas não criar dificuldades para o progresso.”

O aceno para um recuo já havia sido feito no final da tarde desta quarta (31) por Luiz Antônio Nabhan Garcia, presidente da UDR (União Democrática Ruralista). Segundo ele, a questão só será definida “ao longo de muita conversa”.

Antes da eleição, Nabhan Garcia, após reunião com Bolsonaro e ruralistas, já havia falado sobre uma possibilidade de rever a decisão da fusão. A fala, contudo, foi contestada. Onyx Lorenzoni, futuro ministro da Casa Civil, negou recuos em relação ao tema. “Ninguém recuou nada. A questão da agricultura, alimentação e meio ambiente é uma decisão desde os primeiros passos do plano de governo.”

A afirmação de Bolsonaro ocorre após críticas dos atuais ministros do Meio Ambiente, Edson Duarte, e da Agricultura, Blairo Maggi. A ideia também recebeu oposição de ex-ministros do Meio Ambiente, de ambientalistas e de setores do agronegócio.

Duarte afirmou que a fusão poderia trazer prejuízos para ambas as pastas, inclusive para o agronegócio. Maggi, que tem atuação como investidor no setor de soja, lamentou via Twitter a possibilidade de fusão e afirmou que a decisão traria “prejuízos incalculáveis ao agronegócio brasileiro”.