Do Mais Goiás

Bolsonaro pode antecipar saída de 11 ministros para candidaturas em 2022

Outros dois ministros devem seguir pelo mesmo caminho. Bolsonaro quer abrigar futuros aliados à reeleição nos lugares

Outros dois ministros devem seguir pelo mesmo caminho. Bolsonaro quer abrigar futuros aliados à reeleição nos lugares
Foto de Bolsonaro com seus ministros. Alguns já saíram, mas boa parte continuam em seus postos (Foto: divulgação/Veja)

O presidente Jair Bolsonaro já tem em mãos a lista de 11 ministros que deixarão seus cargos para concorrerem às eleições de 2022. De acordo com o jornalista Caio Junqueira, da CNN Brasil, essa é quantidade de ministros que já é dada como certa para abdicarem dos cargos e outros dois que ainda estão em decisão de seguir o mesmo caminho.

Como o governo Bolsonaro conta com 23 ministérios, metade dos ministros deverá ser candidato por algum estado em 2022. Diante do cenário, o Palácio do Planalto começa a debater sobre o momento ideal em que eles devem deixar seus cargos. O prazo estipulado pela legislação eleitoral é até abril, mas o presidente pretende avaliar que eles saiam em janeiro para que ele utilize os cargos para abrigar potenciais aliados para sua campanha à reeleição.

Os ministros que estão na lista e os respectivos estados que eles devem sair são: Damares Silva (dúvida); Flavia Arruda (DF); Gilson Machado (PE); Fabio Faria (RN); João Roma (BA); Marcos Pontes (SP); Onyx Lorenzoni (RS); Ricardo Salles (SP);  Rogério Marinho (RN);  Tarcísio Freitas (SP) e Tereza Cristina (MS).

Os outros dois ministros que devem seguir o mesmo caminho: Anderson Torres (DF) e Marcelo Queiroga (PB). Porém, boa parte deles não decidiu a qual cargo que irá se candidatar. Entretanto, alguns deles dependem de acertos políticos. Um exemplo disso são Fabio Faria e Rogério Marinho, que querem se lançar a governador do Rio Grande do Norte.

Damares Silva é a única que não sabe por qual estado deve sair, mas o mais provável é que ela se lance pelo estado do Tocantins.