Estadao Conteúdo

Bolsonaro diz que ‘não acredita nada’ na urna eletrônica

Uma das principais defendidas por Bolsonaro, PEC pode avançar na Câmara dos Deputados até mesmo com apoio da oposição

Filiação de Bolsonaro pode inflar Patriota ao custo de desidratar o PSL
Filiação de Bolsonaro pode inflar Patriota ao custo de desidratar o PSL (Foto: Isac Nobrega/PR)

O presidente Jair Bolsonaro voltou a colocar em xeque a credibilidade das urnas eletrônicas, mesmo sem apresentar indícios de fraudes no processo eleitoral. A apoiadores que o aguardavam em frente ao Palácio da Alvorada nesta terça-feira, 8, Bolsonaro disse que “não acredita nada” no sistema de contabilização de votos. “Perguntam: ‘como você ganhou e reclama?’ Eu tive muito voto”, justificou o presidente, que defende um sistema que permita a impressão dos votos.

A proposta de emenda à Constituição (PEC) do voto impresso, uma das principais bandeiras do bolsonarismo, deve avançar com amplo apoio na comissão especial sobre o tema instalada na Câmara dos Deputados – inclusive com apoio de setores da oposição. Dos 34 parlamentares do colegiado, 21 são favoráveis à mudança. A proposta precisa de 17 votos para avançar.

Em 2020, Bolsonaro afirmou ter provas de fraudes nas eleições presidenciais de 2018, quando saiu vitorioso. Até o momento, contudo, o presidente não mostrou qualquer evidência do fato.

PL da taxação solar

Bolsonaro ainda voltou a dizer que vetaria um eventual aumento da taxa de energia solar, caso o projeto que revisa normas para a geração distribuída seja aprovado no Congresso. “Eu não mando no Parlamento, tenho dois votos lá dentro”, disse o líder do Palácio do Planalto a um apoiador, reforçando, contudo, que o Executivo barraria a medida.