FolhaPress

Bolsonaro chega a dois anos sem partido e tenta selar filiação ao PP após fracassos em série

Presidente tentou montar legenda e foi estopim de racha em siglas com as quais negociou ingresso

Bolsonaro preocupado
Bolsonaro chega a dois anos sem partido e tenta selar filiação ao PP após fracassos em série (Foto: Reprodução - Agência Brasil)

Quase dois anos depois de entrar em atrito público e deixar o PSL, partido pelo qual se elegeu presidente da República, Jair Bolsonaro tenta acertar sua volta ao PP, sigla que lidera o centrão e por meio da qual ele iniciou sua carreira política.

Nesses quase 24 meses, o presidente e seus aliados fracassaram na tentativa de criar do zero uma legenda, a Aliança pelo Brasil, e foram estopim de rachas internos em partidos com os quais negociaram ingresso. Segundo dirigentes do PP, basta Bolsonaro bater o martelo para se filiar.

O centrão, outrora execrado por Bolsonaro e seus aliados, é hoje a base de sustentação política do governo no Congresso. Na linha de frente dessa aliança estão o presidente do PP e ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira, e o presidente da Câmara, Arthur Lira (AL).

Hoje, calculam integrantes da cúpula do PP, 90% dos diretórios estaduais da sigla concordam em receber Bolsonaro. A maior resistência está no Nordeste, principalmente na Paraíba, em Pernambuco e na Bahia. Mesmo assim, segundo Ciro Nogueira relatou em conversas reservadas, isso não é mais um entrave.

O próprio Lira, que temia que a entrada de Bolsonaro pudesse atrapalhar sua tentativa de reeleição no comando dos deputados em 2022​, já aceitou a migração do presidente.

Em troca da filiação, Bolsonaro teria o direito de escolher os candidatos ao Senado de estados considerados chave, como mostrou a Folha nesta semana.

Além de comandar a Câmara, o PP tem a quarta maior bancada da Casa, com 42 deputados. Também tem a quarta maior bancada do Senado, com 7 parlamentares.

Antes de avançar nas conversas com o PP, porém, Bolsonaro e seus articuladores negociaram o ingresso em várias outras legendas, como os nanicos PRTB e Patriota, e o PTB de Roberto Jefferson, hoje preso no bojo das investigações sobre suposta organização criminosa digital voltada a atacar as instituições e a democracia.

Tanto no PTB quanto no Patriota, a possibilidade de filiação de Bolsonaro e dos bolsonaristas acentuou crises internas.

O PTB, que com a prisão de seu presidente está interinamente sob o comando de Graciela Nienov, anunciou que irá expulsar Cristiane Brasil, filha de Jefferson, em meio a troca de acusações de interferências nas negociações para o ingresso de Bolsonaro.

No Patriota, o então presidente da legenda nanica, Adilson Barroso, um entusiasta da filiação de Bolsonaro, foi defenestrado do comando durante uma confusa realização de reuniões para tentar aprovar a entrada do presidente.

O senador Flávio Bolsonaro (RJ) chegou a se filiar à legenda, mas também deve sair.

“Na verdade, o movimento feito pelo ex-presidente do partido foi através de ações irregulares, razão pela qual não concordamos e tomamos as medidas judiciais cabíveis, que culminou com o seu afastamento definitivo do cargo”, disse Ovasco Resende, que assumiu o posto de Barroso.

“O partido continua trabalhando para cumprir o seu principal objetivo, que é ultrapassar a cláusula de barreira [que retira verba de siglas com poucos votos nas eleições], agindo de forma democrática”, disse Ovasco Resende, que assumiu o posto de Barroso”, completou.

Folha não conseguiu falar com o ex-presidente do Patriota.

O plano A de Bolsonaro era criar um partido no qual tivesse total comando.

Para isso, deu largada em novembro de 2019 ao Aliança pelo Brasil, em um evento em Brasília ao qual compareceu sob gritos de “mito” e ao lado da primeira-dama, Michelle, e de três de seus cinco filhos: o deputado federal Eduardo (PSL-SP), o senador Flávio e Jair Renan, iniciante na vida política.

Quase dois anos depois, porém, o projeto se mostrou um fiasco.

A expectativa anunciada em 2019 era a de que o partido bolsonarista fosse criado a tempo de disputar as eleições municipais de 2020, objetivo logo abandonado. A esse revés inicial se somou a chegada da pandemia, o que dificultou ainda mais a coleta de apoio.

O empresário Luís Felipe Belmonte é vice-presidente da legenda em formação, mas, na prática, é o principal responsável por ela. O presidente formal é Bolsonaro, que há tempos abandonou qualquer articulação efetiva em prol do partido. O outro vice é Flávio Bolsonaro.

“Enquanto estiver no prazo, vamos continuar trabalhando. Só vou falar que não deu depois que não der, mas, por enquanto, estou achando que dá”, diz Belmonte.

Em seis meses, o Aliança tem que conseguir completar nos cartórios eleitorais a validação da assinatura de 492 mil eleitores para pedir seu registro ao Tribunal Superior Eleitoral. Em quase dois anos de recolhimento de apoio, porém, só conseguiu 140 mil fichas consideradas aptas.

Bolsonaro já passou formalmente por oito agremiações desde que se elegeu vereador, em 1988, e durante seus sete mandatos como deputado Federal.

O número é inflado, porém, pela constante alteração de nomenclatura e fusões na sopa de letras que forma o quadro partidário brasileiro desde a redemocratização.

A origem da maior parte das siglas de Bolsonaro está na Arena, partido de sustentação do regime militar (1964-1985).

Sua eleição para vereador se deu pelo PDC, partido que depois se fundiria ao PDS, herdeiro direto da Arena, formando o PPR. Algumas fusões e mudanças de nomenclaturas depois levaram a sigla a desembocar no PP dos dias atuais.

Bolsonaro ainda teve breve passagens pelo PFL (que depois virou DEM e deve se transformar agora em União Brasil, após a fusão com o PSL) e PTB, voltando ao PP em 2005, onde ficou por cerca de 10 anos.

Em 2016 migrou para o nanico PSC na expectativa de se lançar candidato a presidente. Sem apoio político interno, porém, saiu novamente e, após negociar com outras siglas, se filiou ao então nanico PSL.

Descontadas as fusões e troca de nomes, Bolsonaro esteve filiado em toda a sua carreira a cinco partidos diferentes: PP e suas variações, PFL, PTB, PSC e PSL.

A SOPA DE LETRINHAS DA VIDA PARTIDÁRIA DE BOLSONARO

1988
É eleito vereador, aos 33 anos

  • PDC (Partido Democrata Cristão) – sigla acabaria se fundindo em 1993 com o PDS de Paulo Maluf

1993
Em seu primeiro mandato como deputado federal

  • PPR (Partido Progressista Reformador) – sigla surge da fusão do partido de Bolsonaro, o PDC, com o PDS, comandado por Maluf e principal herdeiro da Arena, o partido de sustentação do regime militar (1964-1985)

1995
Em seu segundo mandato como deputado federal

  • PPB (Partido Progressista Brasileiro) – sigla nasce da fusão do partido de Bolsonaro, o PPR, com o PP (Partido Progressista), de breve existência —havia sido criado dois anos antes a partir da fusão de PTR (Partido Trabalhista Renovador) e PST (Partido Social Trabalhista)

2003
Em seu quarto mandato como deputado federal

  • PTB (Partido Trabalhista Brasileiro) – Deixa o PPB para se filiar ao PTB de Roberto Jefferson. Ficaria na sigla por cerca de dois anos

2005
Em seu quarto mandato como deputado federal

  • PFL (Partido da Frente Liberal) – tem breve passagem pelo partido presidido à época por Jorge Bornhausen. A sigla depois virou DEM e, agora, aprovou sua fusão ao PSL para virar União Brasil
  • PP (Partido Progressista) – volta à sigla (que em 2003 mudou o nome de PPB para PP) pela qual, com outro nome, iniciou sua carreira política.

2016
Em seu sétimo mandato consecutivo como deputado federal

  • PSC (Partido Social Cristão) – filia-se à sigla nanica já com o objetivo de disputar a Presidência da República

2018
Candidato à Presidência da República

  • PSL (Partido Social Liberal) – depois de romper com o PSC e fracassar entendimentos para ingresso em siglas como o Patriota, se filia ao partido de Luciano Bivar, com quem também rompeu após a eleição

2019
Presidente da República

  • Aliança pelo Brasil (em montagem) – após romper com o PSL, anuncia a criação do Aliança pelo Brasil. O projeto, porém, até hoje não obteve apoio popular suficiente para sair do papel

2021
Pré-candidato à reeleição à Presidência da República

  • PP (Partido Progressista) – depois de deixar viúvas pelo caminho, entre elas o Patriota, tenta fechar acordo para voltar à sigla pela qual, com outro nome, iniciou a carreira política