Telemania
Do Mais Goiás

Loki: Tom Hiddleston fala sobre personagem ser gênero fluido na série

Série já foi lançada no Disney+ e tem novos episódios disponíveis a cada quarta-feira

(Foto: Reprodução/Marvel-Disney)

Tom Hiddleston sabe sobre a fluidez de gênero de Loki desde que ele conseguiu o papel do “Deus da Trapaça” no primeiro filme de Thor, e agora o ator falou que está “muito satisfeito” em poder incorporar essa parte da identidade do personagem na nova série “Loki” do Disney+.

“Sempre esteve lá na mitologia. Esteve nos quadrinhos desde, eu acho, o período de publicação na Marvel, mais de 60 anos”, disse Hiddleston à Reuters em um clipe de um evento no tapete vermelho publicado na segunda-feira.

“Loki, como personagem, tem uma identidade tão ampla e abrangente”, continuou o ator. “Ele sempre foi um personagem que você nunca poderia colocar em uma caixa, que você nunca poderia definir, e eu fiquei muito satisfeito por podermos tocar nisso na série.”

O programa revelou sua identidade de gênero pela primeira vez por meio de um vídeo teaser lançado pela Marvel Studios que revelou um close-up do arquivo Autoridade de Tempo Variente de Loki depois que ele foi levado sob custódia pela organização por quebrar a realidade ao fugir com o Tesseract em “Vingadore: Ultimato”. Em “sexo”, consta no documento que ele é “fluido”.

“Eu diria que os detalhes estão marcados, mas é algo reconhecido”, disse a diretora de “Loki”, Kate Herron. “Ele é fluido de gênero na mitologia nórdica e nos quadrinhos e parecia uma coisa importante, como você diz, fazer ter certeza de que é um cânone.”

O roteirista principal do programa, Michael Waldron, também abordou o assunto em uma entrevista à Inverse. “Eu sei quantas pessoas se identificam com Loki em particular e estão ansiosas por essa representação, especialmente com esse personagem. Nós trabalhamos muito”, disse ele.

Novos episódios de “Loki” são lançados no Disney+ toda quarta-feira com um elenco que além de Hiddleston, inclui Owen Wilson, Gugu Mbatha-Raw, Sophia Di Martino, Wunmi Mosaku e Richard E. Grant.