Telemania

Johnny Depp fala sobre cultura do cancelamento: ‘Ninguém está salvo. Nem um de vocês!’

Ator foi homenageado por sua carreira no Festival de Cinema de San Sebastián, na Espanha

(Foto: Reprodução/Grosby Group/ANDER GILLENEA/AFP)

Ninguém está a salvo da “pressa instantânea do julgamento” concedida pela cultura do cancelamento de hoje, disse a estrela de Hollywood Johnny Depp em um festival de cinema espanhol, onde recebeu um prêmio pelo conjunto de sua obra.

Depp, que no ano passado perdeu um processo por difamação contra um jornal britânico que o rotulou de “espancador de mulheres”, estava respondendo a perguntas de jornalistas no Festival de Cinema de San Sebastián, no norte da Espanha.

No que parecia uma referência ao movimento #MeToo, que tem como alvo o assédio sexual e agressão a mulheres por homens poderosos, ele sugeriu que as coisas saíram do controle.

“Os vários movimentos que surgiram, tenho certeza com a melhor das intenções – no entanto, está tão fora de controle agora que posso prometer que ninguém está seguro”, disse ele.

Ele também atacou “esta cultura de cancelamento ou esta pressa instantânea para o julgamento com base essencialmente no que equivale ao ar poluído que é exalado.”

Em 2020, o três vezes indicado ao Oscar processou o editor do “The Sun”, um tabloide britânico, por alegar que foi violento com sua ex-esposa Amber Heard durante seu casamento de dois anos.

O juiz, Sr. Justice Nicol, rejeitou a reclamação da estrela por difamação, descobrindo que uma coluna publicada em abril de 2018 chamando Depp de “espancador de mulheres” era “substancialmente verdade”.

Ele disse: “Eu descobri que a grande maioria dos alegados ataques à Sra. Heard pelo Sr. Depp foram comprovados de acordo com o padrão civil.”

Após o julgamento de 16 dias por difamação, Depp disse que foi convidado a deixar seu papel na franquia de filmes “Animais Fantásticos”. O ator perdeu a tentativa de anular a decisão por difamação.

Grupos de direitos das mulheres e algumas mulheres da indústria cinematográfica criticaram a decisão do festival de entregar a Depp o prêmio Donostia, que foi concedido “em reconhecimento à sua carreira”.

Depp, que continua a negar que foi violento com Heard, disse aos jornalistas: “Ninguém está seguro, mas acredito que se você estiver armado com a verdade, é disso que você precisa”.