Telemania
Do Mais Goiás

Faces da Morte | Clássico cult dos anos 70 vai ganhar remake via Legendary

Falso documentário foi lançado em 1978 e criou cenas violentas de assassinatos como se fossem, de fato, vídeos reais

(Foto: Reprodução/CORTESIA DE CAITLIN FULLAM; PHOTOFEST;EMERSON RICARD)

“Faces da Morte”, um documentário falso que se tornou um sucesso cult na era do VHS, está passando por uma transformação no século 21.

A Legendary Entertainment, atualmente desfrutando do brilho de bilheteria do sucesso “Godzilla vs. Kong”, conquistou os direitos do título com o objetivo de lançar uma nova franquia de terror. Isa Mazzei e Daniel Goldhaber, a equipe por trás do thriller psicológico de 2018, “Cam”, irão escrever e dirigir, respectivamente.

O filme original, lançado em 1978, teve a presunção de um patologista explorando maneiras horríveis de morrer por meio de imagens supostamente selecionadas de todo o mundo. Na verdade, a maioria das cenas de morte foi encenada, mas não importa, o longa teve o efeito desejado pelos produtores: indignação, repulsa, proibição (embora não em 52 países, como preconizado pelos produtores do filme) e, claro, um sucesso lucrativo que gerou sequências e imitadores. Foi escrito e dirigido por John Allan Schwartz, que usou vários pseudônimos para vários trabalhos de equipe no filme.

A obra original foi lançada nos cinemas, mas foi realmente na década de 1980, quando atingiu o mercado de vídeo doméstico via VHS, que seu status de cult se espalhou, em cópias que eram alugadas clandestinamente, distribuídas e gastas por serem assistidas novamente. MPI, uma empresa com sede em Illinois, manteve os filmes originais em circulação nos últimos 30 anos.

O novo enredo gira em torno de uma moderadora de um site parecido com o do YouTube cujo trabalho é eliminar conteúdo ofensivo e violento e que está se recuperando de um trauma grave, e assim se depara com um grupo que está recriando os assassinatos do filme original . Mas na história preparada para a era digital da desinformação online, a questão é: os assassinatos são reais ou falsos?