Desobediência

Promotoria de Iporá recomenda que prefeito cumpra medidas de prevenção

Caso descumpra a recomendação, prefeito pode ser alvo de investigação criminal conduzida pela Procuradoria-Geral de Justiça


Tainá Borela
Do Mais Goiás | Em: 04/04/2020 às 13:07:41

Prefeito de Iporá Naçoitan Leite (PSDB) (Foto: Divulgação)
Prefeito de Iporá Naçoitan Leite (PSDB) (Foto: Divulgação)

O Ministério Público de Goiás, por meio da 1ª Promotoria de Justiça de Iporá, recomendou, neste sábado (4/4), ao prefeito Naçoitan Araújo Leite que adote todas as providências necessárias para executar e fiscalizar as medidas de prevenção e enfrentamento à pandemia do novo coronavírus (Covid-19), em especial as de quarentena, já adotadas em âmbito estadual, por meio de decretos emitidos pelo Poder Executivo.

Nesta sexta-feira (3), circulou pelos grupos de WhatsApp uma mensagem que supostamente seria de Naiçotan autorizando os comerciantes a abrirem as lojas na cidade. Em uma sequência de áudios, comerciantes e prefeito afirmam que não vão cumprir o último decreto estadual, anunciado pelo governador Ronaldo Caiado (DEM), que prorroga por mais 15 dias a quarentena e o fechamento de estabelecimentos comerciais como medida de prevenção a proliferação do coronavírus no Estado.

Os promotores de Justiça Sérgio de Sousa Costa e Margarida Bittencourt da Silva Liones recomendam na ação que Naçoitan Leite “se abstenha de flexibilizar, ainda que pelos meios de comunicação e redes sociais, as medidas adotadas em âmbito estadual, por meio dos Decretos 9.633, 9.637, 9.638, 9.644 e 9.645, todos emitidos em 2020.

Na recomendação os promotores citam os áudios com indícios de descumprimento de determinação do poder público. E ressaltam que, caso a recomendação não seja atendida, pode resultar em instauração de investigação criminal pela Procuradoria-Geral de Justiça.

Naiçotan Leite tem 24 horas, a partir da notificação, realizada neste sábado, para informar sobre o acatamento das medidas, sob pena de responsabilização civil e criminal.

No documento, o promotor determina o encaminhamento da recomendação aos comandos Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros na cidade; ao Presidente da Câmara de Vereadores de Iporá; e ao Presidente do CDL de Iporá, visto que, nos áudios, incita-se para a abertura do comércio, em desrespeito aos decretos estaduais e às orientações da OMS.

O promotor alerta, por fim, que “o artigo 286 do Código Penal considera infração penal a prática de incitar, publicamente, a prática de crime, com pena de detenção de três a seis meses”


Publicidade