DESGASTE | ELEIÇÕES 2020

“Eu sou Vanderlan Cardoso, eu não sou Vanderlan do Baldy”, afirma senador

De saída do PP, Vanderlan Cardoso deve se filiar ao PSD ou PRB com intenção de disputar Prefeitura de Goiânia


Tainá Borela
Do Mais Goiás | Em: 29/01/2020 às 11:00:00

Vanderlan e Baldy protagonizam desentendimentos às vésperas das Eleições Municipais de 2020
(Reprodução/Agência Brasil)
Vanderlan e Baldy protagonizam desentendimentos às vésperas das Eleições Municipais de 2020 (Reprodução/Agência Brasil)

Prestes a deixar o PP, o senador Vanderlan Cardoso conversou com o Blog Poder em Jogo e afirmou que não tem pretensões de procurar o presidente do partido, Alexandre Baldy, para conversar. “Não me sinto na obrigação de procurá-lo, assim como ele não me procurou para discutir a adesão ao governo de Ronaldo Caiado“, argumentou.

Sobre a declaração de Baldy ao Blog, de que foram as estratégias dele, durante as eleições de 2018, que elegeram Vanderlan ao Senado, o parlamentar se mostrou bastante contrariado e respondeu que não se chama “Vanderlan do Baldy” a uma alusão ao deputado federal, Adriano do Baldy, ex-chefe de gabinete de Alexandre. “Baldy está desenhando um projeto dele e tudo dá a entender que eu sou um entrave. Eu merecia o mínimo de respeito da parte dele”, afirmou. Vanderlan vai conversar apenas com o presidente nacional do PP, Ciro Nogueira, para anunciar a sua saída do partido.

Vanderlan, que é pré-candidato à Prefeitura de Goiânia, tem articulado nas últimas semanas seu ingresso ao PSD. Na manhã desta terça-feira (28), as negociações com o partido se estreitaram durante uma reunião com o presidente da sigla em Goiás, Vilmar Rocha, com o deputado federal Francisco Jr. (PSD) e com o ex-deputado estadual Simeyzon Silveira. “Ainda quero conversar com o Gilberto Kassab (presidente nacional do PSD) e com os outros líderes do partido no Congresso. Até 10 de fevereiro devo ter a minha decisão tomada”.

Vanderlan também terá uma conversa com o deputado federal João Campos, presidente estadual do PRB. O senador, que é muito próximo ao presidente do MDB, Daniel Vilela, e de seu pai, o ex-prefeito de Aparecida, Maguito Vilela, confidenciou que um novo grupo político está se formando em Goiás para 2022 com a presença desses nomes.


Publicidade