Minirreforma

Além da indicação de Baldy, Renato de Castro e Wilder devem ingressar no governo Caiado

Decisões sobre as mudanças no secretariado devem se intensificar a partir da próxima semana


Tainá Borela
Do Mais Goiás | Em: 06/01/2021 às 17:20:25

Ronaldo Caiado (Foto: Fábio Lima)
Ronaldo Caiado (Foto: Fábio Lima)

As movimentações para as mudanças no secretariado do governo de Ronaldo Caiado (DEM) começaram em dezembro, logo após as eleições municipais, mas devem ganhar força total na próxima semana quando o democrata retornar de viagem com a família. Nas apostas dos bastidores do Palácio do Pedro Ludovico Teixeira, além do nome indicado pelo presidente estadual do PP, Alexandre Baldy, aliados como o ex-prefeito de Goianésia, Renato de Castro (MDB) e o ex-senador Wilder Morais (PSC) devem assumir alguma pasta na administração caiadista.

O PP que hoje conta com a Secretaria de Cultura (Secult), ocupada por Adriano Baldy, irmão de Alexandre, deve ganhar na minirreforma a Secretaria de Desenvolvimento Social, que é administrada pela ex-senadora Lúcia Vânia. A secretaria de Esportes também foi cogitada pelo partido. Não foi batido ainda o martelo sobre qual será o destino de Renato de Castro, mas já é certo que ele ocupará uma pasta. O emedebista é um dos principais aliados de Caiado e conseguiu eleger em Goianésia, após ter sua candidatura deferida pelo MDB, o democrata Leonardo Menezes, seu primo em primeiro grau.

Cogita-se também o retorno de Wilder para a Secretaria de Indústria e Comércio (SIC), pasta que o ex-senador deixou em junho do ano passado para ser candidato à Prefeitura de Goiânia. Mas, de acordo com governistas, Wilder ainda está reticente em retornar para a administração pública neste ano. O Blog Poder em Jogo apurou que não serão só essas as mudanças no time de secretariado do governador. O atual titular da Secretaria de Governo (Segov), Ernesto Roller, também pode deixar o Palácio nos próximos meses. E indicações do PSD feitas pelo senador Vanderlan Cardoso (PSD) também devem ser recebidas pelo governo.

 


Publicidade