QUARENTENA

Trindade não adotará escala para comércio antes de 6 de julho

Decreto assinado pelo prefeito Jânio Darrot em 23 de junho já havia estabelecido regras para o período da romaria


Alexandre Bittencourt
Do Mais Goiás | Em: 30/06/2020 às 18:55:39
Francisco Costa
Do Mais Goiás | Em: 30/06/2020 às 18:55:39

Jânio Darrot (Foto: Divulgação)
Jânio Darrot (Foto: Divulgação)

A prefeitura de Trindade decidiu que só depois do dia 6 de julho é que poderá adotar – se é que vai adotar – o sistema de revezamento para o comércio, proposto nesta terça-feira, em decreto, pelo governador Ronaldo Caiado (DEM). 

Este é o período do ano em que a cidade fica mais movimentada. A Romaria do Divino Pai Eterno deveria acontecer entre os dias 26 de junho e 6 de julho, mas foi cancelada. Mesmo com o cancelamento, é grande o fluxo de fiéis que estão se deslocando para o município para professar a fé. 

No dia 23 de junho, o prefeito Jânio Darrot (PSDB) publicou um decreto que dispõe sobre as regras que vão vigorar no município no período em que aconteceria a Romaria. 

Está proibido o funcionamento de restaurantes, sanduicheiras, pizzarias, pamonharias, lanchonetes, açaíterias, sorveterias, pit dogs, distribuidoras, bares, pesque-pagues e similares. Vendas só podem acontecer por telefone celular, delivery, drive-thru, retirada e entrega rápida.

O decreto proibiu o funcionamento de hotéis, pousadas e estabelecimentos congêneres. Também está vedada a abertura de parques municipais, feira dominical e Carreiródromo nos dias 28 de junho e 5 de julho. 

Os infratores que não cumprirem os protocolos de segurança e de combate à Covid-19, estabelecidos pelo Município de Trindade, podem sofrer punições previstas no Código de Posturas Municipal, inclusive com a interdição das atividades nos setores comercial, industrial e de serviços.

O documento autoriza o funcionamento de barreiras sanitárias nas vias de entrada do município de Trindade. 


Publicidade