Varejo

Marketing Digital: 5 KPIs de e-commerce para analisar na crise

Compreender os indicadores essenciais do comércio on-line certamente ajudará a traçar estratégias para inovar na crise


Maraisa Lima
Do Mais Goiás | Em: 04/12/2019 às 14:23:32

Foto: Free Pik
Foto: Free Pik

Quando vivemos em épocas delicadas, precisamos revisar conceitos, análises, objetivos. No e-commerce não é diferente.

A crise gerou oportunidades para que o e-commerce se tornasse um dos principais aliados para os consumidores (o faturamento do comércio eletrônico cresceu 23,6% nessa Black Friday, segundo a e-bit).

O motivo é que as pessoas já compreendem claramente que a Internet permite uma rápida e eficiente comparação de preços e, consequentemente, uma compra com melhor custo-benefício.

Na maioria das vezes, houve impacto nas grandes empresas dessa área, trazendo uma mudança nos comportamentos dos profissionais.

Desse modo, me dei a liberdade de listar os 5 KPIs que mais tenho analisado. Deixo aqui como dica para você analisar e acompanhar, nesse ano mais restrito para o varejo.

1 – Taxa de conversão

É a métrica principal na análise de dados nesse período. O que diminuiu no consumidor brasileiro foi o poder de compra, não o interesse. Por isso, os potenciais clientes continuam acessando as lojas virtuais, navegando, pesquisando.

Uma queda na taxa de conversão, com manutenção das visitas, pode indicar que seus preços estão elevados em comparação com o mercado.

Fique atento à essas informações, elas podem dar insights para que você avalie sua política de preços. Já pensou em reduzir o markup (índice usado para a formação de preços) dos produtos que tiveram quedas nas vendas e compensar em acessórios?

2 – Ticket Médio

Ainda falando sobre o poder de compra do consumidor, o ticket médio nessa época de crise tende a cair.

Assim, podemos avaliar produtos similares com preços inferiores que tiveram aumento de procura e de vendas, cruzando com o contrário para produtos com preços elevados.

Por exemplo, em uma empresa que faz 50 pedidos/dia, um ticket médio de R$80,00 que pula para R$100 representa um acréscimo de R$30.000,00 ao final de 30 dias.

3 – CPA de mídia

Esqueça o ROI. Nesses tempos em que todo esforço tem que ser efetivo e bem planejado, é preciso focar no quanto você gasta (tanto em dinheiro quanto em esforço) para conseguir um pedido.

Nem sempre aquilo que te traz o maior retorno é o que é mais lucrativo. Você precisa avaliar as mídias que te trazem mais efetividade, gastando pouco pra ter um resultado mais rentável.

4 – CTR do e-mail

Se você trabalha com estratégias e-mail marketing, precisa ficar mais atento ainda à CTR (taxa de cliques) de suas campanhas.

Querendo fazer receita com poucas vendas, muitas lojas começam a anunciar produtos mais caros em suas peças, esquecendo que o poder de compra do brasileiro está menor.

Portanto, use suas peças de e-mail marketing para divulgar produtos que tenham belos descontos e que sejam atrativos, para o cliente entender que sua loja tem preços competitivos.

5 – Seu plano de negócios

As quatro dicas acima podem dar uma alavancada nas vendas, mas sabemos que o mercado não está favorável. Aproveite essa época para repensar sua estratégia de marketing e definir novos rumos e metas. Sempre é bom inovar.

Essas foram dicas simples, mas que grande parte dos executivos e dos profissionais de marketing não prestam atenção. Fique atento para não ser surpreendido ao final desse ano.

GABRIEL BONTEMPO Expert em e-commerce, com 7 anos de atuação em Marketing Digital. Hoje é head de inteligência da ZIG, uma das empresas mais respeitadas do mercado de comunicação do Centro-Oeste. Além disso, coordena o MBA Marketing e Inovação Digital da DALMASS.

Tópicos

    Publicidade